O Deezer estreou no Brasil há pouco mais de um ano, oferecendo acesso gratuito às músicas via web – porém o limitava a algumas horas por mês. E quem quisesse acessar o serviço pelo smartphone ou tablet tinha que pagar. Hoje, esses dois limites foram extintos.

A empresa anunciou hoje em blog oficial que não há mais limite de tempo para usuários do plano Discovery, que é gratuito. Antes, era possível ouvir apenas dez horas de música por mês. No entanto, agora você terá anúncios em áudio intercalados entre as músicas – assim como no Spotify.

E você poderá ouvir músicas no iOS, Android, Windows Phone, Windows 8 e BlackBerry sem pagar uma assinatura. No entanto, isto funciona nos mesmos moldes do Spotify: listas de reprodução serão tocadas de forma aleatória, e com anúncios em áudio de vez em quando.

O acesso offline às músicas também está liberado, tanto no computador – através de uma extensão para Chrome – como no celular e tablet. Também há uma nova versão beta do Deezer para Mac, que combina sua biblioteca offline de músicas ao catálogo do serviço – novamente algo já feito pelo Spotify. A empresa promete também uma versão para Windows.

Os planos de assinatura continuam os mesmos: o Premium custa R$ 8,90 mensais e oferece zero anúncios e som de até 320 kbps; enquanto o Premium+ custa R$ 14,90 por mês e também promete conteúdo exclusivo, oferecidos antes do lançamento oficial.

As mudanças no Deezer valem para o mundo inteiro, mas coincidem com a chegada iminente do Spotify no Brasil – que, há algumas semanas, distribui convites para usuários testarem o serviço. O Spotify tem “mais de 20 milhões de músicas” em seu acervo; o Deezer, por sua vez, diz ter mais de 30 milhões.

No Brasil, a concorrência em música por streaming está esquentando. Será que outros concorrentes – como o Rdio, atualmente apenas com planos pagos – vão mudar de estratégia? [Deezer Blog via TechCrunch]