Entomologistas em Washington destruíram o primeiro ninho de vespas gigantes asiáticas, ou vespas assassinas, como se tornaram conhecidas em nossos pesadelos coletivos, descoberto nos EUA, relata a Associated Press.

Profissionais vestidos da cabeça aos pés em grossos equipamentos de proteção, parecendo que saíram direto de Chernobyl, trabalharam para aspirar as espécies invasoras da cavidade de uma árvore em grandes recipientes no fim de semana. Se parece um exagero, lembre-se de que essas vespas não ganharam um apelido tão terrível à toa: suas picadas foram descritas como “tachinhas em brasa” espetadas em você, e os trajes protegem os trabalhadores de seus ferrões de 6 milímetros. A equipe também veio equipada com protetores faciais. Isso porque esses insetos são conhecidos por cuspir um veneno doloroso nos olhos das pessoas.

Tradução: Uma manhã e tanto filmando as vespas gigantes asiáticas e nossos trabalhadores do Departamento de Agricultura de Washington, matando-as em Blaine. Adoro essas roupas resistentes a picadas que eles usam! #MurderHornets

Depois de uma busca de uma semana, o Departamento de Agricultura do Estado de Washington descobriu o ninho do tamanho de uma bola de basquete na sexta-feira (23), depois de equipar três vespas com rastreadores de rádio usando fio dental. O ninho, que continha cerca de 100 a 200 vespas de acordo com os cientistas, foi encontrado na cidade de Blaine, perto da fronteira com o Canadá, onde várias vespas assassinas foram avistadas, relata a AP.

Autoridades suspeitam que ninhos adicionais possam estar próximos e continuarão as buscas na área. A árvore em que o ninho foi encontrado também será cortada para retirar quaisquer vespas recém-nascidas e saber se alguma rainha já deixou a colmeia, disseram os cientistas, de acordo com a AP. Uma coletiva de imprensa foi marcada para esta segunda-feira (26), tuitou a agência.

Tradução: Capturando-as. Usamos dispositivo à vácuo para pegar várias vespas gigantes asiáticas em uma cavidade de uma árvore em Blaine nesta manhã. Mais detalhes serão fornecidos em uma conferência de imprensa na segunda-feira. Ninguém da equipe estará disponível para entrevista antes disso.

As vespas gigantes asiáticas são as maiores da Terra e suas rainhas podem atingir até 5 cm de comprimento. O apelido de “assassina” vem da devastação que elas causam com suas presas, decapitando abelhas e outros insetos com suas “mandíbulas em forma de barbatana de tubarão” e por dizimar colmeias inteiras em poucas horas. Tecnicamente, elas podem sobreviver apenas com a seiva de árvores, mas parecem preferir mastigar insetos que vivem em colônias.

Embora essas vespas não sejam conhecidas por atacar ativamente os humanos, suas picadas possam ser fatais, e acredita-se que até 50 pessoas por ano são mortas por elas no Japão, embora essas estimativas variem. Elas representam uma ameaça muito maior para as abelhas e, por extensão, os agricultores que dependem dessas abelhas para a propagação de suas safras. Em alguns países asiáticos, nativos desenvolveram uma defesa terrível, mas eficaz contra elas: envolve cozinhar essas vespas vivas com o calor coletivo de seus corpos.

Infelizmente, as abelhas na América, onde essas vespas começaram a surgir inexplicavelmente em 2019, não têm essa defesa. Cientistas em Washington têm corrido para localizar os ninhos de vespas antes de sua “fase de abate” — quando elas comem presas para se prepararem para o próximo estágio de seu ciclo de vida. Felizmente, a destruição deste ninho marca um grande passo para a erradicação desta espécie invasora antes que isso aconteça.

[The Associated Press]