Ei, 2020, dá para dar uma folga? Agora, além de uma pandemia e de uma crise econômica sem precedentes, parece que teremos que acrescentar “vespas assassinas” à lista de motivos para perder o sono.

Tecnicamente, são vespas gigantes asiáticas ou vespas mandarinas, mas esses pesadelos voadores provocaram vários apelidos, como “matadores de iaques”, “abelha gigante pardal” e “MEU DEUS, TRAZ O LANÇA-CHAMAS” (minha reação ao ver esses cazadores da vida real).

Mais alguns fatos não tão divertidos. Suas picadas venenosas matam cerca de 50 pessoas por ano no Japão. Elas se alimentam arrancando as cabeças das abelhas e levando as carcaças decapitadas de volta para seus filhotes. E embora eles sejam nativas do sudeste e do leste da Ásia — daí seu nome –, recentemente começaram a aparecer no estado americano de Washington e no Canadá. Os cientistas ainda não sabem o porquê.

“Elas parecem um monstro de desenho animado com esse enorme rosto laranja e amarelo”, disse Susan Cobey, criadora de abelhas do Departamento de Entomologia da Universidade Estadual de Washington, em um comunicado publicado recentemente.

“É uma vespa chocantemente grande”, acrescentou Todd Murray, que é entomologista e especialista em espécies invasoras na universidade. “É um risco para a saúde e, mais importante, um predador significativo de abelhas.”

Isso ocorre porque as vespas gigantes asiáticas podem dizimar colmeias inteiras em poucas horas usando suas “mandíbulas em forma de barbatanas de tubarão”, como diz uma matéria de fim de semana do New York Times. As abelhas, aliás, são uma espécie notoriamente ameaçada de extinção pelos humanos.

No inverno passado, moradores de diferentes partes do condado de Whatcom, em Washington, viram um punhado de espécimes mortos dessas vespas, segundo o Times. As autoridades descobriram mais tarde que outra havia sido visto do outro lado da fronteira com o Canadá, em White Rock, Colúmbia Britânica, em novembro. Uma colmeia inteira foi descoberta e exterminada na Ilha de Vancouver antes disso. O estado de Washington verificou um total de quatro avistamentos relatados em dezembro, de acordo com o Guardian.

As autoridades enviaram várias amostras para serem analisadas por um laboratório no Japão, onde os cientistas confirmaram que eram mesmo vespas gigantes asiáticas, por mais inexplicável ​​que isso seja. Além do mistério, o laboratório descobriu que as vespas do condado de Whatcom e da ilha de Vancouver não eram relacionadas, indicando que as espécies foram introduzidas em pelo menos dois incidentes separados.

Essa descoberta vem com implicações terríveis. A rainha da vespa pode crescer até cinco centímetros de comprimento. As picadas da espécie injetam um veneno potente, que pode ser comparável ao de uma picada de cobra venenosa, se você tiver a infelicidade de ser atacado por um enxame. Ao contrário das abelhas, elas podem perfurá-lo várias vezes usando ferrões quase do comprimento de uma agulha hipodérmica.

E como você pode imaginar, não é apenas potencialmente mortal, mas também dói. Você pode conferir o corajoso Coyote Peterson do YouTube sendo picado. Não parece um momento divertido. Conrad Bérubé, um apicultor e entomologista que foi atacado enquanto limpava a colmeia da Ilha de Vancouver, disse ao Times “[não] era como ter tachinhas em brasa estivessem sendo enfiadas na minha carne” — mesmo usando trajes apropriados para lidar com abelhas e calça de moletom.

Mas, mesmo assim, para muitos apicultores e entomologistas, ser atacado por essas “vespas assassinas” é a última de suas preocupações.

“A maioria das pessoas tem medo de ser picada por elas. Estamos com medo de que eles destruam totalmente nossas colmeias”, disse ao Times Ruthie Danielson, apicultora que ajudou a coordenar uma resposta a essas vespas no condado de Whatcom.

Para esse fim, as autoridades se uniram para travar uma guerra contra as espécies potencialmente invasivas quando seu ciclo de vida começar novamente este ano. Por volta de abril, a rainha das vespas sai da hibernação, enquanto as operárias descobrem e constroem covas subterrâneas para construir ninhos. Sua destrutividade atinge o pico durante o final do verão e o início do outono, quando as operárias buscam furiosamente por comida, que pode ser qualquer coisa, de abelhas a louva-a-deus e até outras espécies de vespas, para sustentar a rainha do próximo ano.

“Esta é a nossa janela para impedir que se estabeleça”, disse Chris Looney, um entomologista do Departamento de Agricultura do Estado de Washington, à reportagem do Times. “Se não conseguirmos fazer isso nos próximos anos, provavelmente não será possível fazer mais.”

Para impedir que as vespas se estabeleçam na região, as autoridades começaram recentemente a estabelecer armadilhas improvisadas — esses bichos gigantes não se encaixam nas armadilhas tradicionais de vespas e abelhas — usando jarras e misturas de suco de laranja e vinho de arroz, leite fermentado e água, e outras iscas experimentais. Cada uma delas é pendurada em uma árvore e geograficamente identificada, e as autoridades planejam montar outras centenas nos próximos meses.

Eles também estão experimentando a implantação de imagens térmicas para eliminar os ninhos, de acordo com o Times — toda a atividade pode resultar em temperaturas de até 30°C. Qualquer vespa capturada será equipada com uma “etiqueta de identificação por radiofrequência” ou, mais simplesmente, com uma “pequena serpentina” para mapear sua jornada de volta ao ninho.

O Departamento de Agricultura do Estado de Washington fez parceria com apicultores e cientistas locais com a WSU para a iniciativa, e até os moradores locais foram convidados a ajudar a rastrear as espécies. Qualquer pessoa que encontrar um zangão zumbindo por aí pode relatar o avistamento usando o aplicativo WA Invasives.

“Precisamos ensinar as pessoas a reconhecer e identificar essa vespa enquanto as populações são pequenas”, disse Murray, “para que possamos erradicá-lo enquanto ainda temos uma chance”.

Porque, afinal, já não temos problemas suficientes? E é só maio, caramba.

[New York Times]