Um ex-diretor de uma escola no estado de Vermont, nos EUA, está sendo acusado por realizar gravações sexuais, voyeurismo e posse de pornografia infantil. Dean Stearns, de 56 anos, se declarou inocente de todas as acusações.

A Polícia do Estado de Vermont diz ter recuperado mais de 200 fotos e vídeos de garotas menores de idade na casa de Stearns. Acredita-se que o material foi filmado a partir de câmeras escondidas colocadas em objetos de sua casa. O homem foi liberado depois de pagar fiança de US$ 25 mil.



• Youtuber que matou o namorado enquanto gravava vídeo é condenada a 90 dias de prisão

A polícia diz que Stearns convidava estudantes para sua casa, que ele compartilhava com sua esposa, e então as filmava utilizando câmeras escondidas. A Unidade de Investigação Tecnológica da Polícia do Estado de Vermont afirma ter encontrado câmeras em relógio despertador, abajur e em um carregador de celular. O carregador fez com que uma das vítimas percebesse a situação e desvendasse todo o esquema.

O professor Dean Stearns. Imagem por Polícia de Vermont

A garota, que foi convidada para a casa, recebeu o carregador de Stearns para usar um banheiro privado, não compartilhado com Stearns ou sua esposa. Ela plugou o carregador na tomada e ao ver que ele não funcionava o deixou em cima de um balcão, fora da tomada.

Ela saiu e voltou ao banheiro algum tempo depois, mas percebeu que o carregador estava de volta na tomada. A garota examinou o acessório e descobriu que havia uma câmera lá dentro. Ela contou a um adulto, que alertou a polícia – que posteriormente foi até a casa de Stearns e encontrou dispositivos de vigilância e material ilícito.

Depois de sua prisão, a polícia fez uma varredura na South Royalton School onde Stearns era diretor, mas não foram encontrados dispositivos de gravação.

Enquanto Stearns aguarda julgamento, um juiz emitiu uma ordem que o proíbe de tirar fotos ou publicar fotos na internet, comprar um segundo celular e ter contato com menores.

[VT Digger]

Imagem do topo: Gizmodo