Uma equipe de físicos húngaros criou um grupo de drones autônomos que voam juntos como pássaros. É claramente a obra de cientistas loucos, e nos deixa impressionados e assustados ao mesmo tempo. A invasão começa… agora.

Por enquanto, o exército de drones voadores é composto por quadcópteros relativamente inocentes. Cada um deles usa um GPS para navegar pelos ares; e transmissores de rádio para se comunicar com os outros.

Isso garante que, se um drone ficar muito próximo dos outros, ele poderá ajustar sua posição e evitar um acidente. E os algoritmos para tanto são tão bons que o bando de drones pode até mesmo lidar com “engarrafamentos” sem problemas. Veja-os em ação nos vídeos abaixo.

Os drones agem de forma obviamente inspirada pela natureza, mas também há aqui uma influência do futurismo dos anos 80. Tamás Vicsek, físico da Universidade Eötvös Loránd na Hungria, liderou a pesquisa e teve como base um projeto de drones em um software de 1986. Conhecido como Boids, o programa simulava objetos voadores de acordo com três regras: alinhamento (para igualar a altitude), atração (para agir como um bando) e repulsão (para manter certa distância dos outros objetos).

Vicsek passou cinco anos criando este bando de drones. Ele diz à National Geographic que imagina quadcópteros como polinizadores artificais. O filho dele, por sua vez, sugere que os drones poderiam espalhar um spray que evita a criação de mosquitos em locais de água parada. Ou seja, as aplicações seriam pacifistas, mesmo que também haja possíveis usos militares.

Mas, independentemente isso, ainda é um pouco aterrorizante ver robôs se comportando como animais. Bem, acho que é melhor a gente ir se acostumando com isso: por exemplo, o exército de robôs do Google é quase todo inspirado em animais. [National Geographic]


Foto por A.Korbely