Já vimos que um SoC, como o Snapdragon da Qualcomm, é feito da união de vários minúsculos itens que, juntos, fazem smartphones, tablets e Smart TVs funcionarem. Um desses itens muito especiais é o DSP, sigla em inglês para Processador de Sinais Digitais.

O DSP atua, no Snapdragon, no processamento em tempo real de alguns fatores externos como voz, áudio e, agora, imagens e sensores. Digo “agora” porque com a sexta geração do Hexagon, nome que a Qualcomm dá ao seu DSP, ele ganhou novos poderes.



Normalmente usado no cancelamento de ruídos enquanto em ligações, a nova geração do Hexagon atua, também, em funções multimídia. Munido de funções como suporte numérico, paralelismo e baixo consumo de energia, este DSP permite desafogar o uso de CPU e GPU e, com isso, proporcionar experiências mais ricas sem tanto impacto na bateria do aparelho. Não à toa, aplicações de realidade aumentada com aceleração via hardware e processamento de áudio são algumas das maiores beneficiadas pelo Hexagon.

O Hexagon é um DSP presente em todo Snapdragon — o motor que move os smartphones e tablets mais rápidos do mundo. Não basta uma boa CPU, ou uma GPU matadora; para que tudo funcione com harmonia, sem sacrificar a bateria ou esquentar a sua mão, é preciso que o conjunto trabalhe bem, incluindo aqueles itens menos badalados, porém super importantes, como o Hexagon.