Apagar um incêndio em um arranha-céu é um baita desafio, tanto para transportar os equipamentos como para fazer os bombeiros chegarem até o local. Por isso, cidades com prédios altos contam com divisões específicas para atender esse tipo de ocorrência. Dubai, nos Emirados Árabes, vai oferecer propulsores para os bombeiros, para que eles possam ter acesso mais rápido ao local atingido e às vítimas.

Esperamos que essa iniciativa seja mais que uma ação de relações públicas (ou uma amostra sem noção de riqueza). A Defesa Civil de Dubai encomendou 20 jetpacks da Martin Aircraft Company, equipados com dois propulsores e dois simuladores para treinamento.

propulsor2

O Martin Jetpack é consideravelmente mais largo que os jetpacks exibidos em filmes de ficção científica, e tem um preço nada camarada de US$ 35 mil. No entanto, o propulsor consegue carregar até 118 kg, permitindo que o piloto leve algum equipamento mais complexo para determinadas regiões de um arranha-céu. Em uma emergência, quando cada segundo conta, poder acessar rapidamente andares superiores é uma grande vantagem.

Um propulsor é a solução real de problemas envolvendo emergências nas alturas? Bom, é preciso tempo para poder responder, pois Dubai é uma das primeiras cidades a adotar essa alternativa. No mínimo, isso deixa os moradores e empresas mais tranquilas, sabendo que há um serviço de resgate pensado para a cidade cheia de arranha-céus.

[Martin Aircraft Company via Dubai Civil Defence via Gizmag]