Os Centros de Pesquisa Globais da GE são daquelas instituições tão fantásticas que sempre deixam a gente com aquela pergunta no ar, meio amarga: “Puxa, será que um dia vamos ter uma dessas por aqui?” Eles têm alta tecnologia, máquinas de grande porte, operações super delicadas, pesquisa e desenvolvimento de ponta… Pois é. Esse dia chegou e tirou o amargor da boca.

Conheça mais sobre essa missão da GE e saiba como as máquinas falantes vão nos ajudar a destruir o trânsito

A unidade brasileira, no Rio de Janeiro, acabou de ser inaugurada. Ela tem uma missão e tanto: adaptar a tecnologia desenvolvida lá fora para as particularidades do Brasil (e da América Latina) e criar soluções e produtos no Brasil que serão usados por empresas do mundo inteiro. Dito assim, parece simples. Não é. E foi por isso que a GE resolveu aterrissar essa iniciativa espetacular no Rio de Janeiro.

O que é o Centro de Pesquisas?

Os Centros de Pesquisas formam uma rede com 9 unidades espalhadas por todo mundo. Eles não raro trabalham em conjunto e é assim, com muitas mentes brilhantes espalhadas por quatro continentes e atuando em sinergia, que alguns problemas monumentais são encarados e superados.

Já ouviu falar sobre o Trem com motor flex? Pois é, bem vindo ao presente!

O Centro de Pesquisas brasileiro da GE é o primeiro do tipo na América Latina. Ele já está operando faz algum tempo e, no momento, conta com 140 pesquisadores de diferentes áreas, alguns repatriados após concluírem sua formação fora do país, todos pensando e testando soluções para clientes como Petrobrás, Vale, Gol, Azul e outras empresas dessas e de diversas indústria. São companhias que trabalham cruzando o céu a 35 mil pés de altitude até aquelas que se aventuram nas profundezas do oceano. As instalações do Centro de Pesquisas têm capacidade para até 400 pesquisadores. Então ainda há espaço para crescer (escutou ai, leitor do Gizmodo que sempre quis trabalhar com pesquisa de ponta?)

A escolha do Brasil para ser a sede do primeiro Centro da América Latina foi, segundo a própria GE, devido a “tópicos estratégicos como estabilidade da economia local, potencial de desenvolvimento, qualificação da força de trabalho, novas oportunidades de negócio em infraestrutura”. A tradição também pesou: a GE atua no país desde 1919 e emprega quase nove mil funcionários por aqui.

Você sabe como a diversificação de fontes está sendo planejada para aumentar a oferta de energia elétrica no Brasil?

O Centro de Pesquisas fica na Cidade Universitária do Rio de Janeiro, pertinho da Ponte Rio-Niterói. Existe também uma proximidade com instituições como a UFRJ e empresas como a Petrobrás e BG Group, e a combinação de esforços acelera a criação de novas tecnologias. Do Centro de Pesquisas sairão avanços nos processos de extração de petróleo com a abordagem offshore de sistemas submarinos de produção, software e algoritmos para analisar e otimizar tudo o que for possível, do desempenho de locomotivas aos procedimentos de pouso e decolagem de aviões comerciais, entre outros setores que a empresa atua.

Para melhorar, o centro ainda faz algo que nós sempre sonhamos no Brasil, mas poucas vezes fomos capazes de realizar. O Centro de Pesquisas integra, finalmente, empresas e universidade. É tecnologia mudando o país.

Como a GE ouve e traduz o que as máquinas dizem?

Esses e outros tópicos das tecnologias da GE estão sendo explicadas no canal que a GE criou dentro do Gizmodo. Basta entrar e ver algumas das tecnologias que já estão desafiando os pesquisadores. Aperte os cintos porque tem muita coisa legal para falarmos.

#postaisdofuturo