Pouco a pouco, a decisão de reconstruir o navegador Edge com base no mesmo motor do Chrome, o Chromium, vai se mostrando um acerto da Microsoft. O aplicativo da empresa já havia conquistado o segundo lugar em porcentagem de usuários. Agora, ele deu mais um passo e superou a marca dos 10%.

De acordo com dados da NetMarketShare, o Edge chegou a 10,22% entre os navegadores de computador, uma alta de 1,38% em relação ao mês passado. Já o Chrome caiu um pouco, mas continua na liderança com larga vantagem: foi de 69,94% em setembro para 69,25% em outubro. (Dados da Stat Counter mostram o Edge com uma popularidade bem menor, pouco mais de 6%, mas também identificaram esse crescimento recente na nova versão.)

Como observa o 9to5Google, ao longo dos últimos meses, o Edge ganhou cerca de 3% do mercado, enquanto o Chrome caiu por volta de 2%. Opera, Firefox e até o Safari também tiveram quedas pequenas nesse meio tempo — e sim, você pode baixar o Edge até no Mac.

Também é preciso levar em consideração que a Microsoft fez uma campanha bem agressiva para promover seu novo browser. Logo após instalar a atualização do Windows que trazia o novo aplicativo, que foi distribuída no último mês de julho, o sistema mostrava um anúncio de tela inteira apresentando o novo programa, oferecendo inclusive para importar dados do navegador padrão atual. O sistema também colocava automaticamente um atalho na barra de tarefas e perguntava se você queria mudar o browser padrão.

Isso não explica tudo, obviamente. O Internet Explorer e o Edge antigo também davam suas forçadas de barra, mas quase sempre eram trocados por outro navegador sempre que possível. O fato de mais de 10% dos usuários de desktop adotarem o novo Edge também indica que o navegador vem sendo bem aceito pelo público.

E esse número pode subir um pouco mais em breve. Como notou o TechRadar, o Internet Explorer ainda tem 5,57% do mercado. Só que vários serviços da própria Microsoft deixarão de oferecer suporte ao antigo navegador, como o Teams e o Microsoft 365. Se a empresa conseguir convencer esses usuários a não usar o Edge apenas para baixar o Chrome, ela deve ver mais um bom crescimento.