Finalmente, algumas boas notícias em 2020. E temos que agradecer à Cher por isso. Sim, ela mesma, a cantora Cher.

Vamos explicar. Um elefante macho de 36 anos chamado Kaavan, que foi apelidado de “o elefante mais solitário do mundo”, está finalmente indo para uma nova casa depois de passar a maior parte de sua vida em um zoológico no Paquistão.

É aí que chega a Cher: a artista, junto com grupos de ativistas dos direitos dos animais, há anos encabeçavam uma campanha para realocar Kaavan para melhores condições. Isso finalmente será possível, pois, de acordo com vários veículos de comunicação, o animal já embarcou com sucesso em um voo para um santuário cambojano no último domingo.

Free the Wild, uma instituição de caridade internacional cofundada por Cher, trabalhou em colaboração com a Four Paws e outras ONGs para orquestrar a mudança de Kaavan, que custou cerca de US$ 400 mil no total. Cher viajou ao país nos dias que antecederam sua partida para se encontrar com o primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, e visitar a exposição de Kaavan para oferecer apoio moral.

“Meus desejos finalmente se tornaram realidade. Fizemos a contagem regressiva para este momento e sonhamos com isso por tanto tempo e, finalmente, ver Kaavan ser transportado para fora do zoológico [de Islamabad] permanecerá conosco para sempre”, disse Cher, segundo informa o Guardian.

O transporte do elefante não foi fácil. Demorou horas para uma equipe de especialistas persuadir Kaavan para entrar em uma caixa de metal feita sob medida para a viagem, e isso só aconteceu com a ajuda de meses de treinamento, alguns sedativos leves (para um elefante, pelo menos) e correntes resistentes. A caixa foi carregada em um caminhão e conduzida ao aeroporto de Islamabad, onde um avião de carga russo o levará para o santuário de vida selvagem de mais de 100 mil metros quadrados.

Kaavan, o único elefante asiático no Paquistão, chegou ao país quando tinha apenas um ano de idade como um presente do Sri Lanka. Apesar do título de elefante mais solitário do mundo, as coisas nem sempre foram assim. O zoológico Marghazar, sua casa ao longo da vida, comprou para ele uma parceira de Bangladesh em 1990 – uma elefanta chamada Saheli. Mas desde a morte dela em 2012 (ele teria ficado ao lado de seu corpo sem vida por dias em luto), Kaavan convivia em condições deploráveis em seu recinto abandonado, muitas vezes mantido em correntes e sem abrigo adequado para se proteger da chuva.

Funcionários do zoológico negaram anteriormente as alegações de que Kaavan não foi devidamente cuidado, mas as condições da instalação foram tão terríveis que este ano um juiz ordenou que o local fosse fechado. O juiz também determinou que todos os animais do recinto, o que incluiu Kaavan, fossem realocados para ambientes com melhores condições.

Agora no novo santuário no Camboja, Kaavan irá conviver com três elefantes fêmeas asiáticas. E embora eu saiba que o primeiro dia de todos eles pode ser estressante, acho que Kaavan fará novas amizades. Aliás, uma curiosidade: elefantes são criaturas extremamente sociáveis, como os humanos. Longos períodos de solidão podem ter um impacto sério em sua saúde mental e física – de novo, do mesmo jeito que acontece com nós, humanos. Vai ver não somos tão diferentes assim.