A SpaceX demitiu na última semana pelo menos cinco funcionários que escreveram e compartilharam uma carta aberta com críticas ao bilionário Elon Musk.

No documento, os funcionários afirmavam que o comportamento do magnata no Twitter gerava frequentemente distração e constrangimento para a equipe da empresa espacial.

“Como nosso CEO e porta-voz mais proeminente, Elon é visto como o rosto da SpaceX – cada Tweet que Elon envia é uma declaração pública de fato da empresa. É fundamental deixar claro para nossas equipes e nosso potencial grupo de talentos que sua mensagem não reflete nosso trabalho, nossa missão ou nossos valores”, diz a carta, segundo revelou o The Verge.

A carta aberta –compartilhada em um grupo interno da empresa– também lembrou as recentes acusações de má conduta sexual de Musk, assim como a controversa aquisição do Twitter pelo bilionário. O grupo pedia que os milhares de funcionários da SpaceX assinassem a carta, forçando a SpaceX a tomar alguma ação para controlar as atitudes do fundador da empresa.

SpaceX considerou ativismo exagerado

A informação foi divulgada pelo New York Times, após o noticiário entrar em contato com três funcionários da empresa e ter acesso a um e-mail de Gwynne Shotwell, presidente e diretora de operações da SpaceX.

Shotwell justificou as demissões ao dizer que a carta deixou funcionários desconfortáveis, intimidados, oprimidos ou irritados, por não compartilharem o mesmo ponto de vista dos funcionários demitidos.

A executiva lamentou a distração. “Temos muito trabalho crítico a realizar e não há necessidade desse tipo de ativismo exagerado… Por favor, mantenha o foco na missão SpaceX e use seu tempo no trabalho para fazer o seu melhor trabalho. É assim que chegaremos a Marte.”, disse a presidente da empresa.

Apesar dessa turbulência interna, a SpaceX conseguiu efetuar no último fim de semana três lançamentos de satélites bem sucedidos em menos de dois dias. O feito foi lembrado por Elon Musk no Twitter, inclusive parabenizando a equipe da companhia espacial.