O Hyperloop é uma das ideias de transporte mais ambiciosas do século XXI: trata-se de um poderoso trem pneumático que faria viagens mais rápido do que qualquer trem-bala moderno, ultrapassando os 1.000 km/h. Especialistas dizem que ele pode realmente funcionar, mas… quem vai construí-lo?

>>> O Hyperloop pode funcionar de verdade, mas sairá do papel?

O bilionário Elon Musk, que criou o projeto, vai construir uma pista de testes com 8 km de extensão para o Hyperloop.

No Twitter, Musk diz: “vou construir uma pista de testes do Hyperloop para empresas e equipes de estudantes testarem seus pods, muito provavelmente no Texas”. Ele também diz cogitar uma competição anual de corrida para universitários envolvidos no projeto.

Virando realidade

Em 2013, ao divulgar sua proposta para o Hyperloop, Musk não tinha planos de construir a infraestrutura necessária para o projeto, pois já estava ocupado demais comandando a Tesla Motors (carros elétricos) e a SpaceX (exploração espacial). Mas o executivo afirmou que estava “tentado a pelo menos criar um protótipo de demonstração”.

Desde então, uma empresa chamada JumpStartFund criou uma subsidiária para trabalhar na ideia do Hyperloop. Nela, cerca de 100 engenheiros – que trabalham na Boeing, NASA, Airbus, entre outras – passam o tempo livre discutindo como o Hyperloop pode se tornar uma ideia real.

Ela trabalha em parceria com um grupo de 25 estudantes da UCLA (Universidade da Califórnia em Los Angeles), encarregado de criar soluções de design para o novo meio de transporte. Eles imaginam que os pods (ou cápsulas) serão assim:

Hyperloop - conceito criado pela JumpStartFund (3) Hyperloop - conceito criado pela JumpStartFund (2)

Como funciona

Na proposta de Musk, o sistema usa pods de alumínio que trafegam por tubos de aço elevados a uma velocidade de até 1.200 km/h. Nos EUA, os trens mais rápidos viajam a 240 km/h; até mesmo os trens maglev mais rápidos estão limitados a 500 km/h.

O Hyperloop usaria dois tubos – um para cada direção – soldados entre si. Os tubos seriam elevados e cobertos por painéis solares, que gerariam a maior parte da energia necessária para os pods.

Cada um dos pods usaria um compressor de ar movido a bateria na parte frontal, que transfere o ar de alta pressão da frente para a traseira do veículo.

O Hyperloop não usa levitação magnética para manter as cápsulas acima do chão. Em vez disso, elas flutuam em rolamentos pneumáticos – quase como uma mesa de air hockey.

Hyperloop - conceito criado pela JumpStartFund (1)

Problemas

Elon Musk tem o prestígio para ser levado a sério, e o dinheiro para garantir que suas ideias sejam ouvidas. Mas há diversas ressalvas no Hyperloop: ele exige um grande comprometimento do governo; requer uma nova estrutura regulatória, para torná-lo mais seguro; e pode simplesmente não valer a pena.

Por exemplo, uma viagem de San Francisco a Los Angeles levaria seria feita em apenas 35 minutos no Hyperloop. Mas de avião, você faz o mesmo trajeto em cerca de uma hora. Muitas pessoas-chave podem ficar receosas em apostar num novo transporte público que não será terrivelmente melhor do que o que já existe.

Mesmo assim, Musk está confiante, prometendo construir uma pista de testes. E a JumpStartFund nota que há muitas outras possíveis rotas para o Hyperloop, nos EUA e no mundo. Ele ainda tem chance de virar realidade, mesmo que seja daqui a dez anos. [Twitter]

Imagem inicial por Michael Hession; outras imagens por HTT/JumpStartFund