A maioria dos painéis solares captura a luz solar de apenas um lado, o que significa que eles podem capturar mais ou menos luz dela dependendo de onde o Sol está no céu. Nos últimos anos, eles se tornaram muito mais eficientes, normalmente convertendo cerca de 22% da luz que capturam em energia.

Em um novo estudo publicado na revista Joule nesta terça-feira (3), os cientistas criaram uma maneira de aumentar ainda mais essa porcentagem: painéis solares de dupla face que podem se mover para seguir o Sol.

Comparado com outras inovações no setor solar (como usar um material chamado perovskita, que soa como um inseto antigo), esse é um conceito notavelmente simples que pode render grandes dividendos.

Basicamente, esses painéis podem capturar o sol não apenas do lado voltado para o Sol, mas também da luz refletida no chão na parte inferior escura. Ao mesmo tempo, um GPS permite que eles se inclinem em um eixo de leste a oeste para serem sempre apontados em um ângulo ideal para capturar os raios de Sol.

Embora painéis de dupla face e painéis solares sejam usados atualmente, os modelos que combinam as duas tecnologias não estão amplamente disponíveis para uso comercial. Especialistas em energia solar prevêem um crescimento explosivo no mercado em breve. E o novo estudo mostra que seu amplo uso trará grandes vantagens econômicas e energéticas.

Ao combinar dados do Sistema de Energia Radiante da Terra e de Nuvens da NASA, dados de campo sobre os padrões globais de luz solar de três institutos diferentes e dados sobre quanta radiação uma face de painel pode receber com base em sua orientação para o solo, os pesquisadores analisaram como o custo eficiente desses painéis poderiam ser. Suas descobertas sugerem que, não importa onde você os coloque, eles seriam a forma mais econômica de painel solar.

Os autores do estudo determinaram que esses painéis de rastreamento solar dos dois lados produzem em média 35% mais energia do que os sistemas de painel único imóveis e são 16% mais econômicos. Isso vale mesmo quando se considera mudanças nas condições climáticas.

“Isso significa que investir em sistemas bifaciais e de rastreamento deve ser uma aposta segura para o futuro próximo”, disse Carlos Rodríguez-Gallegos, principal autor do estudo e pesquisador do instituto de Pesquisa em Energia Solar de Cingapura.

As mesmas advertências para os painéis solares e seu impacto no ambiente local também se aplicam aos sistemas móveis de dupla face, se não mais. O chumbo usado nos painéis solares pode ser uma fonte de poluição local, e Dustin Mulvaney, professor associado de estudos ambientais da Universidade Estadual de San Jose e autor de Solar Power: Innovation, Sustainability, and Environmental Justice, que não estava relacionado ao estudo, disse ao Gizmodo em um e-mail que os painéis duplos podem significar “duas vezes mais chumbo” que os sistemas tradicionais.

Ele também levantou questões sobre o uso da terra e assegura que as superfícies naturais não sejam pintadas para maximizar a quantidade de energia coletada pelos painéis inferiores (algo que o estudo não analisou).

Como esses novos painéis são mais eficientes em termos de energia, eles poderiam, em teoria, economizar não apenas dinheiro, mas também terras. Isso exigiria a reestruturação de como os contratos de energia solar funcionam atualmente, embora valha a pena garantir que as necessidades de energia e as metas de conservação não sejam contrárias.

Enquanto isso, em lugares onde eles não seriam prejudiciais ao meio ambiente, como telhados brancos, Mulvaney disse que “poderia ser um bom ajuste”.