A Ericsson é mais uma empresa a cancelar sua participação no Mobile World Congress 2020 por causa do surto de coronavírus. Antes dela, a LG já tinha anunciado sua retirada da feira, e a ZTE cancelou uma conferência que faria, mas ainda terá um espaço no congresso. O evento acontece em Barcelona, Espanha, entre os dias 24 e 27 de fevereiro.

Como comenta o Android Central, a Ericsson costuma ser uma das maiores expositoras do MWC, mesmo sendo uma empresa de infra-estrutura e não de eletrônicos de consumo. Em seu Twitter, o jornalista Sascha Segan, da PCMAg, contou que a empresa sueca costumava ocupar toda a parte de trás do Hall 2 da feira e ser um dos maiores estandes do evento.

Para substituir sua participação no MWC, a Ericsson anunciou que fará eventos locais chamados Ericsson Unboxed para exibir suas inovações em telecomunicações. As datas e as cidades desses eventos ainda não foram divulgadas.

Em um comunicado, o presidente e CEO da Ericsson, Börje Ekholm, disse:

A saúde e a segurança de nossos funcionários, clientes e outras partes interessadas são nossa maior prioridade. Esta não foi uma decisão fácil. Estávamos ansiosos para apresentar nossas últimas inovações na MWC em Barcelona. É uma pena, mas acreditamos firmemente que a decisão comercial mais responsável é retirar nossa participação do evento deste ano.

A Ericsson segue os passos da LG e da ZTE, que mudaram seus planos por conta do surto do novo coronavírus 2019-nCoV. A LG se retirou da edição deste ano do congresso, e a ZTE cancelou uma conferência de imprensa que faria, mas manterá seu espaço no evento. A organização da MWC confirmou que o evento acontecerá com medidas reforçadas de saúde e higiene para evitar o contágio.

Segundo dados do dia 6 de fevereiro, 28.276 pessoas foram contaminadas pelo 2019-nCoV, sendo 28.060 delas na China e 216 em outros 24 países. Até o momento, 564 mortes foram atribuídas ao coronavírus, sendo apenas uma delas fora da China.

Além de todo o drama humano causado pela doença, os impactos do surto começam a ser sentidos também na economia, mesmo em países que não tiveram casos confirmados. No Brasil, por exemplo, a Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) já prevê problemas na montagem de celulares e computadores, pois uma parte considerável dos componentes vem da China.