Normalmente nós comemos peixes e jogamos fora as escamas deles. Mas agora pesquisadores descobriram um motivo para que valha a pena guardar essas escamas.

Usina de energia solar não consegue parar de matar pássaros
Os 22 projetos incríveis de energia renovável que abrem o caminho para um futuro mais limpo

Em um novo artigo publicado na Applied Physics Letters, pesquisadores detalham um método para transformar escamas de peixes em colhedoras de energia.

Os cientistas processaram as escamas para torná-las mais flexíveis e, em seguida, anexaram dois eletrodos em cada escama antes de laminá-las. A célula resultante pode colher energia do movimento ao seu redor, incluindo movimentos simples como vibrações ou até batida do coração. Isso fez os pesquisadores sugerirem que elas poderão um dia ser usadas para alimentar coisas como marcapassos.

“No futuro, nosso objetivo é implantar um nanogerador bio-piezoelétrico em um coração para dispositivos de marcapassos, no qual eles continuarão a gerar energia a partir dos batimentos cardíacos para o funcionamento do dispositivo,” disse o co-autor do artigo Dipankar Mandal, da Universidade de Jadavpur, na Índia. “Então ele vai se degradar quando não for mais necessário.”

Essa aplicação em particular ainda está distante, mas a pesquisa é um lembrete importante de que talvez exista um uso melhor para a quantidade incrível de resíduos de alimentos que geramos.

Muitas dessas coisas são comidas prontas para consumo que jogamos fora, mas também há coisas como escamas de peixe ou cascas de laranja que poderiam ser usadas para outras coisas com um pouco de criatividade.

“A escama de peixe está disponível em grandes quantidades na nossa sociedade porque é basicamente um bioresíduo que é jogado fora no processamento dos alimentos,” explicou o co-autor do artigo Sujoy Kumar Ghosh ao Gizmodo. Para conseguir as escamas que usaram, tudo o que os pesquisadores tiveram que fazer foi coletá-las em um mercado.

Descobrir novos usos para resíduos de alimentos não comestíveis não apenas é eficiente em custo, como também nos dá uma oportunidade de aproveitar partes dos alimentos que não costumamos comer.

[Applied Physics Letters]

Foto via Gregg_TLV/Flickr