As cobras marinhas são o motivo de um pesadelo total para os mergulhadores, mas novas pesquisas sugerem que seus frequentes “ataques” são, na realidade, tentativas fracassadas de xaveco.

Muitos mergulhadores que exploram recifes de corais tropicais na Austrália e na Nova Guiné estão familiarizados com a cobra-do-mar Olive (Aipysurus laevis ), animal muito venenoso. Esses répteis marinhos frequentemente perseguem e atacam os humanos no fundo do mar sem qualquer motivo claro. Esses encontros podem ficar assustadores, especialmente quando uma cobra marinha se enrola na perna ou braço de um mergulhador e mastiga.

Mortes por picadas cheias de veneno são registradas anualmente e geralmente envolvem pescadores. Ataques a mergulhadores também são relatados, mas mesmo quando as cobras do mar não picam, elas podem causar pânico, tornando a situação ainda pior. O motivo desses ataques não era totalmente compreendido, daí a importância de um novo estudo, publicado hoje na Scientific Reports.

Desde que Richard Shine, coautor do novo artigo e cientista da Macquarie University, na Austrália, começou a trabalhar com cobras marinhas, ele se pergunta por que esses animais às vezes se aproximam dele, em vez de nadar para longe.

“Uma alta frequência de ‘ataques’ a mergulhadores por cobras marinhas sempre me intrigou”, explicou Shine por e-mail. “Por que uma cobra deveria atacar uma pessoa que é muito grande para comer e não representa uma ameaça?”

A nova pesquisa foi uma tentativa de responder a essa pergunta. Os dados foram coletados pelo coautor do estudo Tim Lynch, mergulhador e pesquisador do Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation (CSIRO). Lynch registrou cuidadosamente os comportamentos das serpentes no sul da Grande Barreira de Corais, uma investigação de 27 meses baseada em mergulho autônomo sobre a ecologia das cobras marinhas. Estranhamente, essas observações foram feitas entre 1993 e 1995, o que me levou a perguntar a Shine por que os dados de sua equipe são tão antigos.

“Você pode culpar a Covid-19”, Shine respondeu sarcasticamente, já que a pandemia global é realmente o que tornou este trabalho possível. Lynch reuniu os dados para sua tese de doutorado em 2000 e Shine sabia sobre o trabalho e queria citá-lo em sua própria pesquisa sobre cobras marinhas. Esses dados nunca foram publicados na literatura revisada por pares, então “com algum tempo disponível quando o coronavírus tornou o trabalho de campo impossível, entrei em contato com Tim e concordamos em ir em frente e escrevê-lo para publicação juntos”, explicou Shine.

Uma cobra marinha se aproxima de um mergulhador. Foto: Claire Goiran

Como objeto de pesquisa para um estudo de campo, a cobra do mar Olive é magnífica. Elas estão entre as maiores espécies de cobras marinhas, com as fêmeas adultas atingindo dois metros de comprimento e pesando mais de três quilogramas. Os machos são um pouco menores. Essas cobras nadadoras passam toda a vida debaixo d’água, são comuns nas águas tropicais ao redor da Austrália e da Nova Guiné e subsistem com uma ampla dieta que consiste em caracóis, peixes e crustáceos. Durante seus ataques a mergulhadores, as cobras do mar fazem movimentos rápidos e bruscos em zigue-zague, o que é muito diferente de seu comportamento normal de natação.

Durante as sessões de campo, Lynch foi abordado por cobras do mar durante 74 dos 158 encontros. Enquanto nadavam ao redor dele, as cobras marinhas frequentemente agitavam suas línguas perto do corpo de Lynch. Machos se aproximavam dele com mais frequência do que fêmeas e também afastaram-se por longos períodos de tempo.

As interações ocorreram mais vezes de maio a agosto, o que coincidiu com a estação de acasalamento das cobras-do-mar. Durante a temporada de acasalamento, “os machos passam muito tempo nadando rapidamente ao longo da borda do recife e cortejando as fêmeas que encontram”, enquanto as fêmeas “muitas vezes fogem dessas tentativas de corte, refugiando-se em fendas de coral ou nadando rapidamente”, os pesquisadores escrever em seu estudo.

Em 13 ocasiões diferentes – todas durante a temporada de acasalamento – as cobras do mar atacaram Lynch em alta velocidade. Perturbadoramente, os machos se enrolaram em suas nadadeiras em várias ocasiões – um comportamento tipicamente visto durante as interações sexuais.

“Abordagens rápidas e agitadas por machos, normalmente interpretadas como ‘ataques’, às vezes ocorriam depois que um macho interessado perdia o contato com uma fêmea que estava perseguindo, após interações entre machos rivais, ou quando um mergulhador tentava fugir de um macho”, de acordo com a pesquisa.

As cobras marinhas fêmeas também atacaram Lynch, mas só o fizeram depois de serem perseguidas por um macho ou depois de perderem a pista de um macho.

Juntas, essas observações levaram os pesquisadores a concluir que o comportamento aparentemente agressivo da cobra marinha não é o que parece.

As cobras marinhas estão entre as maiores espécies de cobras marinhas e preferem áreas de recifes de coral. Foto: Jack Breedon

“Os chamados ‘ataques’ das cobras-do-mar se devem a uma identidade equivocada – geralmente ocorrendo quando uma cobra marinha macho está procurando por fêmeas, ou quando uma fêmea está tentando escapar da atenção amorosa de um macho”, explicou Shine.

Confundir um mergulhador humano com um companheiro em potencial pode parecer ridículo, mas Shine diz que é difícil ver debaixo d’água. Parece que “as cobras têm dificuldade em distinguir objetos, então elas se aproximam de qualquer coisa interessante para que possam mexer a língua e obter pistas de cheiro mais confiáveis”. Quanto aos encontros envolvendo serpentes marinhas fêmeas, os cientistas acreditam ser mais um caso de identidade equivocada: as fêmeas estão simplesmente procurando um lugar para se esconder.

O novo estudo é realmente ótimo, mas existem alguns detalhes estranhos. Tenho certeza de que os dados estão corretos, mas ter vários mergulhadores coletando os dados do estudo de campo teria sido uma boa ideia. Algo no estilo pessoal de natação ou na forma física de Lynch pode ter alterado de alguma forma o comportamento da cobra marinha. Ter dados mais recentes para trabalhar também teria sido ideal, pois as  técnicas de observação, entre outros aspectos, podem ter melhorado ao longo dos anos.

Apesar disso, o estudo oferece uma lição importante, pois as descobertas podem literalmente salvar a vida de um mergulhador. Como o artigo aponta, os mergulhadores que “fogem das cobras podem sem querer imitar as respostas das cobras fêmeas ao namoro, encorajando os machos a persegui-los”, portanto, para “evitar a intensificação dos encontros, os mergulhadores devem ficar quietos e evitar retaliação”.