Esta não é uma estátua de Buda qualquer. Como a radiografia mostra claramente, há uma múmia dentro dela.

Radiografia e endoscopia foram feitas para examinar as cavidades torácicas e abdominais do paciente mais velho — como a estátua é conhecida — no Centro Médico Meander, na cidade de Amersfoort, na Holanda. A radiografia identificou a múmia como o corpo do mestre budista Liuquan.

A endoscopia revelou algo fantástico: pedaços de papel com caracteres chineses e outros materiais apodrecidos foram encontrados no lugar de órgãos. Testes de DNA foram feitos, mas o resultado só será revelado em uma publicação sobre a vida do Mestre Liuquan a ser publicada em breve.

O artefato é uma das obras de uma exposição de múmias que esteve no Museu Drents, em Assen. É a primeira vez que a “múmia de Buddha” é exposta fora da China; de acordo com o museu, a estátua contém os restos mortais do mestre budista que viveu “por volta do ano 1100” e é possivelmente um exemplo de auto mumificação, que, segundo a CNET, consistia em:

Uma dieta de mil dias consumindo água, sementes e nozes, seguida de outros mil dias consumindo raízes, cascas de pinheiro e um chá especial feito da seiva de uma árvore chinesa — uma substância tóxica, usada para repelir bactérias e larvas. Depois disso os monges eram então selados em uma tumba de pedra para aguardar a morte.

Agora a estátua está em Budapeste, no Museu Nacional de História Natural, onde ficará até maio de 2015. [Via Neatorama, RT, CNET; photo por M. Elsevier Stokmans.]