por Bruno Izidro

O meu primeiro contato com videogames aconteceu lá pelos meus cinco anos de idade e, desde então, essa relação só cresceu com o tempo (tanto que hoje faz parte do meu trabalho). Porém, nunca cogitei criar um game. Mesmo os jogos com opções de editor de fases, como Little Big Planet, não me deixavam interessado em fazer isso. Fora que nunca fui habilidoso nas áreas artísticas e programação não é o meu forte.

Foi então que Relic Hunters Zero apareceu e, de alguma forma, instigou o espírito de desenvolvedor dentro de mim. Eu não cheguei a fazer um game, mas pelo menos criei meu primeiro mod em um jogo. Isso porque um dos atrativos do shooter é que os desenvolvedores Marcos Venturelli e Betu Souza disponibilizaram o código fonte para quem quisesse modificar o game ou até mesmo criar outro jogo completamente novo.

Mesmo com Relic Hunters só tendo chegado nesta terça-feira (18) ao Steam, o código já estava disponível há algumas semanas para baixar no próprio site do jogo e, assim, eu fui tentar a sorte nesse mundo do desenvolvimento (ou quase isso).

RelicHunters06

Como mencionei, o meu conhecimento de programação é mínimo, mas os desenvolvedores afirmam que mesmo quem nunca programou na vida seria capaz de fazer algo no jogo. Por isso o game design de Relic Hunters, Marcos Venturelli, elaborou dois tutoriais no site do jogo (ambos em inglês) para ensinar o caminho das pedras para quem quiser se aventurar. Mais que isso, ele dá um exemplo de uma das possibilidades de modificação: criar sua própria arma. Foi por esse caminho que segui.

Antes de mais nada é preciso baixar o código fonte do jogo e também o Game Maker, o software usado na criação do Relic Hunters. É nele que vamos usar o código do jogo para modificá-lo. Tudo isso é bem explicado por Venturelli no primeiro tutorial e, como ele havia prometido, não é preciso dominar a arte da programação para fazer isso.

No entanto, mesmo que nenhuma linha de código tenha sido escrita no processo, ainda é preciso ter outras competências para sair um resultado aceitável, principalmente porque o segundo tutorial, que ensina a modificar uma arma do jogo, exige certo domínio em algum programa de edição de imagem. Por sorte eu já estou bem acostumado com Photoshop.

Com o código do jogo e Game Maker instalados, a mágica da criação poderia começar.

Giz Gun

O objetivo do mod é criar algo completamente novo usando como base uma das armas já existentes em Relic Hunters e modificá-la à vontade. Isso inclui também fazer um design bem criativo e único. Eu poderia muito bem ter criado algo bem simples, só usando uma arma qualquer, como uma Shotgun, tirar um pouco aqui, adicionar um pouquinho acolá e pronto. Mas qual seria a graça, não é mesmo?

Por isso, resolvi criar um design do zero e, claro, o meu primeiro pensamento foi fazer uma arma do Gizmodo. Usando uma das imagens das armas do jogo (e encontrada na pasta do código fonte) como template, teve início a criação da Giz Gun.

GIZ_photoshop

Como queria fazer algo completamente novo, essa foi a parte que mais demandou atenção, paciência e, principalmente, os poucos dotes artísticos que possuo no pixel art (aliás, foi a primeira vez que fiz isso) e, rapaz, não é fácil não.

>>> Assine a newsletter do Gizmodo Brasil clicando aqui

Concluída a parte de criação, chegou a hora de colocarmos a Giz Gun dentro do jogo. Seguindo passo a passo o tutorial feito pelo desenvolvedor não há como errar e começamos a mexer nas engrenagens internas do game (mas só um pouco).

Por ser uma modificação bem simples, básica e sem exigir programação o que fazemos é, assim como na arte, pegar o código de uma arma já existente no game e copiá-lo para a arma que criamos. Para a Giz Gun, vi que uma das armas desbloqueáveis de Relic Hunters é uma keytar. Ela é bem anos 80, cafona e solta umas notas sonoras como tiro (meio parecido com a Dubstep Gun do Saints Row IV). Ou seja, ela é perfeita.

Depois do ctrl c + ctrl v, aí sim podemos alterar alguns parâmetros para deixá-la com o toque pessoal, como modificar o poder de tiro, alcance, tempo de reload e etc.

Untitled-4

Podemos fazer uma arma super poderosa ou algo mais equilibrado, com seus defeitos e qualidades. A Giz Gun, por exemplo, tem poder de fogo de 1 hit kill e um alcance de tiro bem grande, mas com um tempo de reload bem lento. Abaixo você pode vê-la em ação dentro do jogo, que está rodando no próprio Game Maker.

Chega a ser meio mágico ver uma criação sua funcionando dentro de um jogo, mesmo sendo uma modificação bem simples, amadora e com bastante atalho durante a criação para colocá-la logo no game. Isso me fez querer desenvolver um jogo? De maneira nenhuma, mas quem sabe essa possibilidade não faça alguns aspirantes sentirem vontade de colocar a mão na massa? Uma coisa é certa: a experiência valeu a pena para ter um contato diferente (pode-se dizer até mais íntimo), com um jogo.

Lembrando que essa é só um exemplo de como é possível modificar Relic Hunters usando o código fonte dele e, como foi possível ver, qualquer um pode fazer isso. Para programadores e artistas mais experientes, as possibilidades são infinitas. Quer criar um novo personagem para o jogo com um arma exótica? Vai fundo; quem sabe até mesmo modificar tudo e transformar em outro jogo? Pode também.

Esse é o principal objetivo dos criadores para Relic Hunters, que ele possa se tornar uma plataforma para criação contínua de conteúdo feita pela própria comunidade. O melhor? É tudo de graça. Já o Relic Hunters Zero original criado pela Rogue Snail – com 12 fases, chefes e cinco personagens –  chegou nesta terça-feira (18) ao Steam e também é completamente gratuito.