Os militares dos EUA estão rastreando um enorme pedaço de lixo espacial chinês que deve reentrar na atmosfera da Terra por volta de 8 de maio, de acordo com um comunicado de imprensa do Comando Espacial dos EUA. Mas, como o Pentágono aponta, ninguém sabe ao certo onde ele vai pousar ainda.

O lixo espacial em questão é formalmente conhecido como Long March 5B, o foguete que lançou parte da Estação Espacial Tianhe da China em órbita em 28 de abril. Como observa o Space News, a reentrada deste foguete é uma das maiores entradas não controladas da história e há preocupações de que ele possa pousar em uma área habitada por humanos.

“O Comando Espacial dos EUA está ciente e rastreando a localização do Long March 5B chinês no espaço, mas seu ponto de entrada exato na atmosfera da Terra não pode ser determinado até poucas horas após a reentrada, prevista para 8 de maio”, disse o Comando Espacial em uma declaração. “Até lá, o 18º Esquadrão de Controle Espacial oferecerá atualizações diárias sobre a localização do corpo do foguete no site Space-track.org a partir de 4 de maio.”

O Space News explica que é altamente improvável que detritos espaciais deste tipo esmaguem alguém aqui na Terra, mas ainda é uma possibilidade:

A alta velocidade do corpo do foguete significa que ele orbita a Terra aproximadamente a cada 90 minutos e, portanto, uma mudança de apenas alguns minutos no tempo de reentrada resulta em um ponto de reentrada a milhares de quilômetros de distância.

A inclinação orbital do estágio central do Long March 5B de 41,5 graus significa que o corpo do foguete passa um pouco mais ao norte do que Nova York, Madrid e Pequim e ao sul do Chile e Wellington, na Nova Zelândia, e pode fazer sua reentrada em qualquer ponto dentro desta área.

O evento mais provável será que quaisquer detritos sobreviventes ao intenso calor da reentrada caiam nos oceanos ou áreas desabitadas, mas o risco permanece de danos a pessoas ou propriedades.

E os militares norte-americanos garantiram aos cidadãos que esse é um dos motivos pelos quais eles estão vigilantes.

“O 18º SPCS na Base da Força Aérea de Vandenberg, Califórnia, tem a tarefa de fornecer suporte 24 horas por dia, 7 dias por semana para a Rede de Vigilância Espacial e rastrear mais de 27 mil objetos feitos pelo homem no espaço, a maioria dos quais estão em órbita baixa da Terra”, disse o Comando Espacial dos EUA em um comunicado.

Assine a newsletter do Gizmodo

“Todos os detritos podem ser ameaças potenciais à segurança do voo espacial e ao domínio espacial, e o 18º SPCS oferece defesa espacial de linha de frente e alertas para a comunidade espacial global.”