Tá, o ensaio para a Playboy da Jodie Fisher foi bem sexy, mas um CEO não deveria ficar procurando no Google* por uma das funcionárias do marketing num computador do trabalho. Uma análise do PC de Mark Hurd revelou que ele assistia a alguns vídeos picantes da Jodie Fisher.

Não só o "crime" verdadeiro de Hurd emergiu hoje, como também detalhes sobre sua saída da HP – ele pediu as contas ou foi demitido? O Wall Street Journal diz que a diretoria da HP ficou irritada que ele resolveu a acusação de assédio sexual com um acordo extrajudicial e não avisou à empresa, que havia agendado uma mediação com Jodie Fisher e o advogado dela no dia seguinte em que ele fez o acordo.

A decisão de Hurd de fazer acordo sem envolver a diretoria supostamente foi o motivo para muitos membros considerarem a possibilidade de que ele era de fato culpado pelo assédio sexual – mesmo que ele e Fisher digam que eles nunca tiveram "relações íntimas". [WSJ]

*Dentro do aceitável, quero dizer. Não estou falando em buscar na internet o nome de possíveis funcionários antes de contratá-los, já que isso é algo que toda empresa deveria fazer, mas tenho certeza que nesse caso Hurd já sabia que a Jodie havia trabalhado em filmes de pornô softcore. Parece que ele procurou por ela com o objetivo claro de ver as fotos e vídeos dela – senão não seria considerado inadequado, certo? Afinal, ele não teria sido forçado a se demitir se tivesse visto, sei lá, o perfil profissional dela no LinkedIn.