O ex-CEO do Uber Travis Kalanick rastejou no chão de vergonha em fevereiro de 2017, segundo novos relatos obtidos sobre a queda do executivo, que é um dos fundadores da plataforma de transportes.

Segundo um longo relato da revista Bloomberg Businessweek, o incidente aconteceu durante uma reunião em um hotel em San Francisco, em que executivos estavam tentando provar para Kalanick que ele prejudicava a empresa. Os colegas de trabalho dele exibiram pesquisas que mostraram que a impressão dos entrevistados sobre o Uber eram mais negativas se eles soubessem quem era Travis Kalanick.

A chinesa Didi acaba de adquirir a 99, e é melhor o Uber ficar esperto
União Europeia decide que Uber é uma empresa de transporte, e não de tecnologia

Então, durante a reunião, um dos executivos foi informado sobre o vídeo em que Kalanick discutia com Fawzi Kamel, um motorista do Uber que reclamou das condições de trabalho durante uma corrida com o então CEO da empresa.”Algumas pessoas não gostam de assumir as responsabilidades pelas merdas que fazem”, Kalanick gritou para o motorista. “Elas [algumas pessoas] culpam os outros por tudo o que acontece em suas vidas.”

Kalanick e outros dois executivos deixaram a reunião para assistir ao vídeo, o que parece ter dado uma noção de que talvez ele era parte do problema da companhia. Diz a Bloomberg Businessweek:

Após o fim do vídeo, os três ficaram em silêncio. Kalanick parecia ter entendido que o seu comportamento requeria algum tipo de contrição. Segundo uma pessoa que estava lá, ele literalmente se abaixou, apoiou as mãos e joelhos no chão e começou a se contorcer. “Isso é péssimo”, resmungou. “Eu sou terrível”.

Segundo uma matéria do Recode, Kalanick se encontrou com o motorista dois dias depois em um apartamento de luxo em San Francisco para pedir desculpas. No entanto, o encontro resultou em um outro debate, continuando a discussão que se iniciou naquela primeira corrida. O Recode diz que Kalnick e outros presentes no encontro sugeriram a compra de dois carros para Kamel usar no Uber, pois o argumento inicial de Kamel é que ele perdeu dinheiro após o Uber reduzir as tarifas. “Eu perdi US$ 97 mil por causa de vocês”, disse Kamel ao Kalanick durante a discussão. “Eu fui à bancarrota por causa de vocês. Você mudam as tarifas todos os dias.” Após o encontro, o chefe jurídico da companhia informou que se ele fosse dar algum tipo de compensação ao motorista, teria de sair do bolso dele, não do Uber.

Citando uma fonte não identificada, a Bloomberg Businessweek diz que Kalanick pagou US$ 200 mil de seu próprio bolso para o motorista. A decisão preocupou bastante o então gerente geral Wayne Ting, que estava presente no encontro e ficou com medo se isso não abriria precedente, fazendo com que a empresa tivesse de pagar todos motoristas que acharem injustas as mudanças de tarifa da companhia.

O Uber não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre o fato de Kalanick ter pago ou não o motorista, e se ele, de fato, rastejou no chão.

A longa matéria da Bloomberg Businessweek cita ainda outros problemas passados pelo Uber durante 2017, como o episódio em que Kalanick, já fora da empresa, pediu para espionar o e-mail de um funcionário, que ele achava que estava vazando informações para a imprensa.

No fim das contas, foram esses tipos de atos que fizeram a equipe de executivos escrever uma carta para o conselho do Uber pedindo que Kalanick deixasse as atividades diárias da empresa. Atualmente, ressalta a reportagem, o ex-CEO e fundador do Uber está indo muito bem jogando o viciante game para smartphone 2048.

[Bloomberg BusinessweekRecode] 

Imagem do topo: Travis Kalanick durante evento TechCrunch Disrupt. Crédito: Getty Images