Correr é uma das formas mais acessíveis de se fazer exercício, mas também é algo sobre a qual as pessoas adoram reclamar — e por boas razões. É um esporte de alto impacto que pode ser duro para o corpo. Mas engenheiros de Stanford desenvolveram um exoesqueleto vestível que você pode prender ao tornozelo para ajudá-lo a correr mais facilmente, de acordo com um estudo publicado na Science Robotics.

O dispositivo foi feito para ser amarrado na canela e ser anexado a um tênis de corrida com um corda sob o calcanhar, além de uma placa de fibra de carbono na sola perto do dedo do pé. Para testar sua eficácia, os engenheiros experimentaram dois tipos de assistência na corrida: um movido a motor e outro accionado por mola. Os participantes do teste correram em uma esteira com a sonda desligada, com a assistência motorizada e, em seguida, com a assistência de mola.

A maneira como os dois modos trabalham têm como alvo partes diferentes da perna. O modo de mola, como o nome indica, funciona como se houvesse uma mola paralela à panturrilha de um corredor. Isso economizaria energia nos passos iniciais, para que você pudesse descarregá-la ao empurrar os dedos dos pés. O modo de potência funciona mais como um cabo de freio de bicicleta, pois os motores puxam um cabo que corre na parte traseira da plataforma, do calcanhar à panturrilha. Assim, você acaba uma corrida com uma melhor extensão do tornozelo.

Sem surpresa, os pesquisadores descobriram que o exoesqueleto motorizado, uma vez ligado, reduziu em 15% o uso de energia da corrida em comparação com a corrida sem ele. Eles também descobriram que o exoesqueleto motorizado pode aumentar a velocidade em até 10%. No entanto, os autores do estudo ficaram surpresos ao descobrir que o modo de mola realmente aumentou a demanda de energia em 11%.

“Quando as pessoas correm, as pernas se comportam muito como uma mola, então ficamos muito surpresos que a assistência semelhante à mola não tenha sido eficaz”, disse Steve Collins, um dos autores principais do estudo e professor associado de engenharia mecânica em Stanford, em um comunicado à imprensa. “Todos temos uma intuição sobre como corremos ou andamos, mas mesmo os principais cientistas não entendem como as pessoas realizam essas atividades”.

Tênis inteligentes, foot pods (eletrônico que se coloca em tênis para medir passos) e smartwatches compreendem a maior parte dos vestíveis com foco em corrida no momento. Os dois últimos não necessariamente melhoram sua velocidade apenas com o uso deles, mas fornecem métricas como ritmo e cadência que você pode usar para avaliar seu progresso ao longo do tempo. Calçados são uma questão diferente. Muitas pesquisas são feitas para definir design e pequenos ajustes que fazem a diferença. Você só precisa ver como os tênis Vaporfly da Nike abalaram todo o mundo da corrida para ver como a tecnologia pode mudar completamente as normas.

Mas, olhando para esse equipamento em particular, você será perdoado por se perguntar por que diabos alguém usaria algo do tipo — mesmo que isso torne a corrida mais fácil e rápida. Afinal, um exoesqueleto não é exatamente leve, e os pesquisadores descobriram que correr com ele desligado era 13% mais intenso em energia do que correr com um par de tênis. As iterações futuras teriam que ser muito mais leves para se tornarem viáveis fora de um laboratório de pesquisa. E embora muitos corredores de elite façam de tudo para reduzir alguns segundos, você provavelmente não verá exoesqueletos tão cedo na linha de partida num futuro próximo.

Dito isso, os pesquisadores imaginam o exoesqueleto como uma maneira de ajudar as pessoas a correrem de forma recreativa. Segundo o Statista, apenas um quarto dos americanos entre 18 e 29 anos praticava pelo menos uma corrida em um período de 12 meses. Esse número caiu para 20% para adultos entre 30 e 49 anos.

“Essas são as maiores melhorias na economia de energia que vimos em qualquer dispositivo usado para ajudar na corrida”, disse Collins.

O exoesqueleto não ajudará as pessoas a se qualificarem para uma maratona, disse Collins, mas pode ajudar os iniciantes a acompanhar amigos mais experientes. No estudo, o efeito potencial foi comparado às bicicletas elétricas, que ajudam os ciclistas iniciantes a subir colinas. Os pesquisadores também observaram que o dispositivo poderia ser usado para facilitar a corrida para funcionários de equipes de emergência, que precisam correr ao exercer suas atividades.