Há meses que rumores apontam que o Facebook pode estar interessado em desenvolver os seus próprios processadores. Agora parece que a rede social realmente vai entrar nessa.

• Patente do Facebook descreve tecnologia que ligaria microfone do seu celular por meio de sinal vindo da TV
• Como Facebook, Google e Microsoft usam truques para que o usuário prefira escolher “eu aceito”

A Bloomberg noticiou nesta sexta-feira (13), que o Facebook conseguiu contratar um dos principais diretores de engenharia que trabalhava no Google para liderar a nova empreitada.

Shahriar Rabii, ex-diretor de engenharia na divisão de silício do Google, assumirá como vice-presidente e chefe da divisão de silício no Facebook, de acordo com seu próprio perfil no LinkedIn. Se ele irá liderar a criação dos chips neste momento ainda não está claro.

Segundo a Bloomberg, Rabii ajudou a liderar o time do Google que desenvolveu os chips utilizados em diversos dispositivos da gigante das buscas, incluindo o chip Visual Core encontrado na linha de smartphones Pixel – esse é o primeiro SoC desenvolvido pela empresa que foi parar nas mãos dos consumidores e é ele o responsável por parte da qualidade das fotos tiradas com o celular. O 9to5Google aponta que Rabii também estava envolvido com a criação de chips de segurança para servidores, conhecido como Titan.

Parece improvável que o Facebook tenha contratado Rabii para que ele trabalhe em outro chip para smartphones, como ele fez no Google. O Facebook meio que já tentou entrar nesse mercado, o que não funcionou muito bem. Mas existe diversas áreas em potencial em que o poder de processamento pode server para a rede social e seus diversos braços de negócios.

Um exemplo é a Oculus – a empresa de realidade virtual que o Facebook comprou por US$ 2 bilhões em 2014, e que ainda não encontrou seu caminho. Segundo a Bloomberg, parece que Rabii irá trabalhar sob o comando de Andrew Bosworth, chefe de realidade virtual e realidade aumentada do Facebook. O Oculus Go que foi lançado há quase um ano é um dispositivo mais acessível, porém ainda desaponta em muitos aspectos. Além disso, ele depende de um chip fabricado pela Qualcomm. Talvez o Facebook vê um grande valor na criação de seus próprios chips para modelos futuros.

A Bloomberg também noticiou que o Facebook tem planos para diversos outros hardwares que podem se beneficiar de um processador poderoso, incluindo uma série de alto-falantes inteligentes que aparentemente incluirão uma tela touch, projetada para ser utilizada em chamadas de vídeo.

E aí, é claro, existe a necessidade de poder de processamento para a quantidade absurda de dados com que o Facebook lida diariamente. A companhia se vale principalmente de algoritmos para monitorar sua plataforma e protegê-la de todos as potenciais violações, incluindo discurso de ódio e spam – tarefas em que a companhia não se mostrou boa o suficiente. Muitos desses processos contam com servidores que possuem uma GPU modificada da Nvidia, como aponta o The Verge. Processadores proprietários que sejam totalmente customizados para tais tarefas poderiam servir melhor.

Seja lá o que o Facebook planeja para Rabii, é muito provável que seja algo grande e sério. Em abril, a companhia abriu uma vagas para formar um time de desenvolvimento de chips. Agora parece que o líder do projeto chegou.

[Bloomberg, 9to5Google, The Verge]

Imagem do topo: Getty