Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, passou cinco horas sentado em uma almofada para parecer mais alto durante o seu depoimento ao Senado dos EUA. O executivo teve o tempo para detalhar as ações da rede social e responder perguntas sobre o grande vazamento de dados que comprometeu informações de 87 milhões de usuários.

A sabatina rendeu momentos esquisitos, risadas e desconfortos – no geral, Zuck pareceu tranquilo, apesar dos momentos em que gaguejava e se perdia em perguntas mais difíceis.

• Como descobrir se a Cambridge Analytica roubou seus dados do Facebook
• Facebook admite que Zuckerberg e outros executivos podem apagar mensagens deles no Messenger

Os senadores, por sua vez, foram educados e muitos deles pareciam tentar entender como de fato funciona uma rede social na internet – perguntas básicas sobre como funcionava a coleta de dados, como os usuários poderiam controlar as informações. Embora estivessem dando um panorama para o cidadão, foram muitas horas em questões básicas e pouquíssimo aprofundamento em assuntos importantes sobre o modelo de negócios de Zuckerberg.

Em um dos pontos mais compartilhados do depoimento, o democrata Dick Durbin perguntou ao Zuckerberg se ele poderia dizer em que hotel ficou na última noite ou a quem mandou mensagem nesta semana. A resposta do executivo foi um “não”, visivelmente desconfortável. O senador continuou afirmando que a audição se tratava justamente desse tema.

Apesar do episódio, o executivo não pareceu muito preocupado com a privacidade das notas que preparou para o depoimento. Um fotógrafo da AP conseguiu capturar o que Zuckerberg tinha preparado, durante um intervalo da sessão.

Enquanto o Washington Post fez uma colossal transcrição das cinco horas de depoimento (em inglês), destacamos aqui algumas das ações que Zuckerberg prometeu tomar e pontos chaves da audição.

Uma revelação importante de pouco destaque foi realizada depois da pergunta da senadora democrata Tammy Baldwin, que questionou se Aleksandr Kogan, desenvolvedor do quiz This is Your Digital Life, vendeu dados a outras empresas. A resposta curta de Zuckerberg foi “Sim, ele vendeu”. Mas ficou por isso mesmo.

A teoria da conspiração de que o Facebook usa o microfone dos nossos smartphones para ouvir sobre o que estamos conversando foi negada por Zuckerberg. O senador democrata Gary Peters perguntou explicitamente se a rede social usava os microfones dos aparelhos para obter mais informações pessoais. O CEO da rede respondeu com um simples “não”, mas em seguida pediu para elaborar sua resposta falando sobre a permissão que se concede dentro do app.

Senador, permita-me esclarecer isso, você está falando sobre essa teoria da conspiração que circula bastante, de que ouvimos o que se passa nos microfones e usamos isso para oferecer anúncios. Para ser claro, permitimos que as pessoas façam vídeos nos seus dispositivos e os compartilhem, e os vídeos têm áudio, por isso acessamos o microfone enquanto se grava um vídeo, guardamos e usamos o conteúdo para melhorar o serviço, certificando-nos de que seus vídeos tenha áudio, mas acho que está claro o bastante.

O Facebook é um monopólio e Zuckerberg não reconhece isso. O senador republicano Lindsey Graham questionou qual é o maior competidor da rede social e o CEO não soube nomear nenhum – na verdade, ele citou Google, Apple, Amazon e Microsoft como empresas que se “sobrepõem” com o Facebook em diferentes maneiras.

Quando o parlamentar o pressionou Zuckerberg ao perguntar se ele não acha que detém um monopólio, o CEO foi evasivo e disse que “certamente não parecia ser um monopólio”. Na sequência, Graham fala sobre uma possível regulamentação e novamente o CEO sai pela tangente falando sobre “uma regulamentação certa”. Faltou só dizer qual é a regulamentação certa.

Diversos senadores perguntaram se a companhia considerava disponibilizar uma versão paga da rede social e Zuckerberg não descartou a possibilidade. Ao republicano Orrin Hatch, o CEO disse que sempre haverá uma versão gratuita do serviço. Pouco depois, falando para outro parlamentar, foi dito que valeria a pena pensar em uma versão paga.

“Queremos oferecer um serviço gratuito para atingir o maior número de pessoas, e essa é a forma que temos atualmente. Facebook com propaganda é mais alinhado com a nossa missão de conectar pessoas. As pessoas podem controlar se querem propagandas personalizadas ou não, mas vimos que elas não gostam de propagandas inúteis”

Na semana passada, a diretora de operações do Facebook, Sheryl Sandberg, disse que se os usuários quiserem uma função de não utilização completa dos dados pessoais, será preciso pagar para usar a rede social.

Por fim, a grande ferramenta do Facebook para a maioria dos problemas é a inteligência artificial. Sempre que foi perguntado sobre ferramentas de moderação e vieses políticos, o CEO citou a IA como um caminho para combater discurso de ódio e outras publicações problemáticas dentro da rede. Em outros momentos delicados, a resposta do executivo foi sempre um desvio: “Meu time vai entrar em contato contigo para lhe passar os detalhes.” Quando o republicano Roy Blunt perguntou se o Facebook monitora a localização dos usuários mesmo quando o aplicativo não está aberto, Zuckerberg disse que “não sabia responder”.

Mark Zuckerberg deve testemunhar mais uma vez hoje, desta vez na Câmara dos Representantes dos Estados Unidos. A expectativa é que alguns pontos pouco discutidos, como a venda dos dados obtidos pelo quiz This is Your Digital Life, sejam esclarecidos.

Quem quiser ver o depoimento na íntegra, o Senado dos EUA disponibilizou o arquivo.

[The Verge, BBC, Washington Post]

Imagem do topo: Getty