Facebook: plataforma irá barrar vendas ilegais de terras da Floresta Amazônica

A empresa lançou uma nova política para o Marketplace na tentativa de proteger áreas de conservação ecológica

Foto: Guillermo Legaria / AFP (Getty Images)

Em meio a uma semana “agitada” para o Facebook , a empresa confessou outro pequeno alarme na manhã de sexta-feira (09): Aparentemente, as pessoas têm usado a ferramenta do Marketplace para vender pedaços da floresta amazônica, que está sob forte ameaça de pastagem de gado, extração ilegal de madeira e mineração. O Facebook gostaria que eles parassem, se possível.

“Hoje, estamos anunciando medidas para conter as tentativas de vender terras em áreas de conservação ecológica dentro da floresta amazônica no Facebook Marketplace”, escreveu a empresa em um post de blog. “Estamos atualizando nossas políticas de comércio para proibir explicitamente a compra ou venda de qualquer tipo de terreno em áreas de conservação ecológica em nossos produtos de comércio no Facebook, Instagram e WhatsApp.”

A fim de examinar adequadamente as pessoas que tentam vender áreas literais de floresta tropical ameaçada, o Facebook disse que agora irá “revisar as listagens” antes que elas apareçam no Marketplace. A empresa disse que iria compará-los com um “banco de dados oficial” de uma organização internacional não identificada de áreas protegidas, a fim de reconhecer listagens que contêm partes de áreas que são “cruciais para a conservação de habitats e ecossistemas e importantes para enfrentar a crise global da natureza”. Essas listagens não serão aprovadas, o que parece uma boa ideia dado o estado atual da floresta tropical.

Este é um raro momento em que o Facebook está, de fato, certo sobre o dinheiro. As áreas protegidas são uma parte importante do quebra-cabeça da conservação. Elas sugam as emissões de carbono do ar e mantêm a biodiversidade de pé, em um momento em que ela está sob ataque em todo o mundo. E – vamos ser honestos aqui – são muitas, muitas coisas bonitas de se olhar.

Esses terrenos também podem ser vendidos por um bom preço, como a BBC descobriu no início deste ano, quando identificou dezenas de anúncios de terrenos na floresta amazônica sendo vendidos por meio do Marketplace do Facebook. Como o site observou na época, alguns dos terrenos vendidos tinham o tamanho de “mil campos de futebol”. 

Quando o jornal, inicialmente, perguntou à empresa o que eles fariam para interromper as vendas claramente antiéticas que aconteciam em sua plataforma, o Facebook deu de ombros, dizendo que estava “pronto para trabalhar com as autoridades locais”. Mas a plataforma disse que não tomaria nenhuma ação independente, a menos que esses vendedores estivessem violando ativamente as leis locais.

Oito meses depois, parece que a rede social mudou de tom. Interromper as vendas é “o primeiro passo que o Facebook está dando para resolver esse problema”, e a empresa observou que “continuará trabalhando para evitar que as pessoas burlem nossas regras”.

A nova postura do Facebook sobre vendas de terras protegidas é apenas mais uma proibição adicionada à lista crescente de produtos vendidos por meio de sua plataforma que a interface está tentando (e às vezes falhando) eliminar. Até agora, isso inclui vendas de drogas (que ainda acontecem), vendas de armas (que ainda acontecem), vendas humanas (que ainda acontecem) e agora, gigantescos terrenos protegidos. Esperemos que a empresa consiga desta vez!

Sair da versão mobile