As manifestações que ocorrem desde o começo de junho no Brasil não levaram apenas milhões de brasileiros às ruas exigindo melhorias na qualidade de vida – elas também fizeram diversas teorias da conspiração surgirem e se espalharem pela internet.

Uma delas envolve o Facebook. No fim da semana passada, diversos usuários relataram que, ao enviar uma frase sobre as Forças Armadas do Brasil, eles eram desconectados e precisavam reconhecer amigos em fotos para se logarem novamente. De fato, isso acontecia – eu mesmo testei e fui desconectado. Mas não era nenhum tipo de censura, como alguns diziam. O Facebook se defende:

Em quase todos os casos, revisamos manualmente todas as denúncias e não temos sistemas automatizados que removem discursos políticos: para proteger milhões de pessoas que se conectam e compartilham informações diariamente no Facebook, a esmagadora maioria do conteúdo é revisada manualmente. Utilizamos sistemas automatizados apenas para um número muito limitado de casos, como, por exemplo, spam. Nestas situações, a automação é usada com mais frequência para que possamos priorizar os casos que precisam de revisão manual, mas isto não substitui a revisão manual.

Em outras palavras, o Facebook negou que exista qualquer tipo de censura prévia de conteúdo. O que pode ter acontecido é que, como muitas pessoas enviaram a mesma mensagem, os sistemas automatizados passaram a considerá-la spam. Assim, quando você mandava a frase para algum amigo, era desconectado, já que o sistema entendia que a sua conta estava sendo usada para espalhar spam.

Muita gente adora uma teoria da conspiração, e usa esses pequenos acontecimentos para gritar “CENSURA!”. Não é bem assim. O Facebook não tem motivo para censurar ninguém. [Facebook via UOL]