A Actvision está novamente no centro de uma grande polêmica. A empresa apresentou uma ferramenta de desenvolvimento para aumentar a diversidade dos personagens em seus games, a “Diversity Space Tool”. No entanto, a companhia foi surpreendida com a reação da comunidade gamer e de alguns de seus próprios desenvolvedores, que criticaram o método utilizado para avaliar diversidade.

A ferramenta utiliza um sistema de classificação por pontos em atributos como etnia, cultura, identidade de gênero, tipo de corpo e orientação sexual, por exemplo. A intenção era que o mecanismo fosse usado durante o processo de criação de personagens para avaliar os níveis de diversidade dos personagens.

Muitos fãs dos jogos da Activision reclamaram que a ferramenta acaba criando personagens estereotipados e que uma forma mais autêntica da empresa ser mais diversa é começar por um quadro de funcionários mais diverso, já que isso, consequentemente, impactaria nos jogos desenvolvidos.

Quando apresentada, representantes da desenvolvedora afirmaram que a ferramenta estava sendo utilizada em títulos populares como, Overwatch e Call of Duty, mas após a repercussão negativa, a empresa diz que ela não está sendo utilizada no desenvolvimento de nenhum game.

A indústria dos games não é muito diversa e nos últimos anos tem se movimentado para mudar este quadro. A própria Activision nomeou uma nova chefe para o departamento de diversidade no mês passado. Kristen Hines, que começou na função em 25 de abril, pretende aumentar em 50% o número de mulheres e não-binários no quadro de funcionários da empresa.

O anúncio da nova chefe aconteceu após a desenvolvedora de jogos estar no centro de uma polêmica após acusações de ter um ambiente de trabalho tóxico e relatos de tratamento inadequado com minorias dentro da empresa.

Outra polêmica recente é o fato de a Activision ter demitido uma funcionária que denunciou uma série de assédios que sofreu por colegas e superiores nas dependências da empresa. Além da denúncia, existem acusações de que o CEO Bobby Kotick trabalhou para abafar casos de assédio por vários anos.

Assine a newsletter do Gizmodo