O Firefox é um browser com uma boa reputação na proteção da privacidade dos usuários. O navegador vai investir ainda mais pesado nisso. A Mozilla, fundação responsável pelo desenvolvimento do programa, anunciou que incluirá por padrão um bloqueio a rastreadores usados para propagandas.

• Oito extensões que devem tornar sua navegação um pouco mais à prova de hackers
• Quatro atualizações do reformulado Mozilla Firefox Quantum

As novidades serão implementadas em três fases.

• Um bloqueio a rastreadores por padrão, a ser implementado no Firefox 63, dependendo de alguns testes sobre o impacto disso no tempo de carregamento de página.
• Limitação a cookies e bloqueio do acesso ao armazenamento por rastreadores de terceiros, que deve estar disponível no Firefox 65.
• Bloqueio de técnicas avançadas, como fingerprinting, que permite identificar o usuário silenciosamente, por características do seu dispositivo. Bloqueio de scripts de mineração de criptomoeda. Ambos estarão disponíveis em uma versão futura, ainda não anunciada.

A Mozilla também cita um estudo do aplicativo Ghostery, que aponta que 55% do tempo total para se carregar páginas na web é usado para rastreadores de terceiros. “Alguns efeitos negativos do rastreamento não controlado são fáceis de se notar, como as propagandas estranhamente específicas e a perda de desempenho na web”, diz o comunicado. “Entretanto, muitos dos riscos da captura de dados são completamente obscuros para usuários e especialistas, e acabam sendo revelados apenas em grandes violações ou vazamentos.”

Se você se interessou pela novidade, já pode conferir as duas primeiras “fases” da implementação no Nightly, canal de atualizações de testes do Firefox. Note, entretanto, que essa versão pode ser bastante instável.

[Mozilla via The Verge]