Na semana passada, a SpaceX tentou aterrissar seu foguete Falcon 9 em uma barca e falhou. Agora, Elon Musk – o dono bilionário da empresa espacial – postou imagens do pouso forçado no Twitter.

>>> Por que a exploração espacial deve ser levada a sério

Musk disse que não havia um bom vídeo do pouso e do impacto, pois o local estava “totalmente escuro e cheio de neblina”. Mas a SpaceX publicou um Vine do impacto:

Você pode ver acima que o foguete aterrissou na superfície da barcaça em um ângulo de aproximadamente 45 graus em relação à horizontal.

Isso aconteceu porque acabou o fluido das barbatanas nas laterais do foguete: elas pararam de funcionar, fazendo com que o Falcon 9 virasse para o lado. Enquanto ele caía na barca, o ângulo de pouso fez as pernas e partes do motor serem esmagadas.

SpaceX Falcon 9
As barbatanas do Falcon 9

Depois, o combustível residual e oxigênio do foguete foram capazes de se combinar e BOOM, ocorreu a explosão. Ou, como diz Elon Musk, houve um “RUD completo”, sigla para “rápida desmontagem não programada” em inglês.

Nem tudo deu errado na missão real. Inicialmente, ela ocorreu como planejado: o foguete fez um lançamento bem-sucedido, e sua carga se separou da primeira etapa. Ela seguiu rumo ao espaço e já chegou à ISS.

Musk disse que esse foi um “dia emocionante!”. Foi mesmo: o foguete certamente atingiu seu alvo, e não fez isso a milhares de quilômetros por hora. Só faltou acertar o ângulo de pouso; vamos torcer que isso aconteça da próxima vez – não é uma tarefa fácil.

Foguetes que pousam

A SpaceX está trabalhando duro para fazer com que seus foguetes Falcon 9 possam aterrissar depois de voltarem da atmosfera: dessa forma, será possível reutilizá-los.

Em testes, a empresa já aterrissou seu foguete em água e em terra firme. O próximo desafio era pousar em uma barca flutuante, que não estaria presa a nada. A SpaceX se refere a ela como um “drone autônomo de base espacial”.

Barca da SpaceX

A barca tem 90 m x 30 m; o foguete tem 21 m de largura. Por isso, a SpaceX dizia que as chances de um pouso bem-sucedido eram 50% “na melhor das hipóteses”. Ela complementa:

A primeira etapa do Falcon 9 tem 14 andares de altura e viaja a mais de 1.300 m/s. Estabilizá-la para a reentrada é como tentar equilibrar um enorme bastão de borracha na sua mão no meio de uma tempestade de vento.

O mecanismo de pouso funciona assim: primeiro, propulsores levam o foguete para a direção certa; depois, uma “retropropulsão supersônica” reduz a velocidade para 250 m/s; por fim, propulsores de pouso desaceleram o foguete para cerca de 2 m/s.

Para estabilizar o pouso, a SpaceX criou as barbatanas nas laterais do foguete, que se movem para os lados e também giram – mas elas falharam desta vez.

De acordo com Musk, a barca está passando por alguns pequenos reparos. O foguete sofreu perda total, mas o Homem de Ferro da vida real tem outros para testar. [Elon Musk]

Fotos por SpaceX; atualizado em 17/01