Um projeto de expansão do metrô de Los Angeles, nos EUA, se tornou um espetáculo científico depois que operários encontraram um fragmentos de um crânio, dente e presa fossilizados de parentes de elefantes antigos extintos há mais de 10.000 anos.

Como era a voz de Ötzi, o homem de gelo pré-histórico, achado há 25 anos na Itália
Um esqueleto real de tiranossauro está à venda por US$ 2,39 milhões

De acordo com autoridades de Los Angeles, os restos pertencem a um mastodonte adulto e foram encontrados na última semana de novembro, o que atraiu a atenção de paleontólogos que querem estudar o local próximo ao Rancho do Poço de Piche de La Brea. No dia 28 de novembro, um monitor encontrou um segundo conjunto de fósseis, uma parte de um crânio com presas que provavelmente pertenceu a um mamute ou mastodonte criança.

mastodonte-3

Tais descobertas não são incomuns na área, e autoridades locais contrataram uma firma externa de paleontologia para identificar e preservar fósseis que poderiam vir a ser encontrados durante a construção antes do projeto começar.

“Tanto a parte da presa quanto do crânio foram colocados em gesso – mais ou menos como na fabricação de moldes para seres humanos – a fim de serem removidos do local intactos e levados a um laboratório para análises posteriores”, escreve o órgão de trânsito de L.A. em um blog. “Uma análise do dente e outras características do crânio vão nos dizer se o animal era um mastodonte ou um mamute. O crânio vai ser depois enviado ao Museu de História Natural do Condado de Los Angeles.”

mastodonte-2

Ainda que impressionante, os espécimes não são a única descoberta científica feita durante uma obra na região. Em 2007, o esqueleto praticamente intacto de um mamute foi encontrado por operários que construíam um estacionamento. Apelidado de “Zed”, ele é o esqueleto de mamute mais completo já encontrado na região.

“O Zed foi encontrado por um trator de esteira, por um pedaço de equipamento pedaço que arrancou os centímetros superiores do seu crânio”, disse um representante de um museu do rancho em 2011. “Mas ao menos eles pararam antes de continuar a destruição. É melhor atingir uma área relativamente simples como a cabeça do que arrancar os dentes ou presas.”

[Metafilter]

Fotos via LAMTA