Um pterossauro com uma envergadura de 91 cm escalou árvores usando garras e um polegar opositor cerca de 160 milhões de anos atrás no que hoje é Liaoning, na China, de acordo com um estudo publicado na quarta-feira (14) na Current Biology. Este é o primeiro pterossauro e o animal mais antigo conhecido a apresentar essa característica.

Carinhosamente apelidado de “Monkeydactyl” pela morfologia única do membro anterior, o pterossauro — seu nome científico é Kunpengopterus antipollicatus — era um dos três gêneros conhecidos de pterossauros darwinópteros na área. Os pterossauros darwinópteros receberam o nome de Darwin por suas anatomias únicas, que são transitórias: eles sugerem a mudança evolutiva dos precursores dos pterossauros, como os lagerpetídeos, para os pterossauros voadores maiores e mais familiares.

Como o K. antipollicatus é o único pterossauro darwinóptero na área que a equipe de pesquisa acredita ter um dedo opositor, os pesquisadores sugerem que esses pterossauros evoluíram para assumir funções muito específicas em seu ecossistema.

“Nossos resultados mostram que o K. antipollicatus ocupou um nicho diferente de Darwinopterus e Wukongopterus, o que provavelmente minimizou a competição entre esses pterossauros”, disse o autor principal Xuanyu Zhou, paleontólogo da Universidade de Geociências da China, em um comunicado à imprensa da Universidade de Birmingham.

O polegar opositor na espécie de pterossauro é tecnicamente um “pollex”, que é o dedo mais interno de um membro anterior. (Nem todos os animais têm polegares, então pollex é um termo que abrange tudo.) Outras espécies modernas que têm esses “dedos” opositores incluem pererecas, que são anfíbios, e camaleões, os únicos répteis existentes que têm essa característica. O polegar opositor é crucial para a aderência entre as espécies arbóreas, pois permite que elas se agarrem melhor aos galhos e trepem nas árvores.

Para determinar se os polegares do pterossauro jurássico eram opositores (apenas uma garra foi preservada, então a equipe está descartando a asa), a equipe de raios-X fez uma imagem do fóssil, obtendo uma melhor noção de como o dedo correspondia às outras garras não preservadas do animal.

“Os dedos do ‘Monkeydactyl’ são minúsculos e parcialmente embutidos na mão”, disse o coautor Fion Waisum Ma, paleontólogo da Universidade de Birmingham, no mesmo comunicado. Por meio da análise de raios-X, disse Ma, a equipe “foi capaz de ver através das rochas, criar modelos digitais e dizer como o polegar oposto se articula com os outros ossos do dedo”.

Uma versão artística de dois “Monkeydactyls”. Ilustração: Chuang Zhao

Para testar se os darwinópteros eram realmente arbóreos (os autores do estudo observam que já existiam há algum tempo, embora as evidências fossem tênues), os pesquisadores compararam 25 espécies de pterossauros, incluindo o K. antipollicatus, com mais de 150 outras espécies conhecidas por escalar árvores. Eles determinaram que o espécime era de fato um escalador, embora os outros pterossauros da área não tivessem essa capacidade.

Nem todo mundo está convencido, no entanto. “Um polegar opositor não é uma indicação infalível de ser arbóreo”, disse Kevin Padian, um paleontólogo da UC Berkeley que não é afiliado ao artigo recente, por e-mail. Padian aponta que animais existentes como guaxinins e lontras têm polegares opositores, mas não vivem em árvores, e que as descobertas dos pesquisadores foram baseadas na única garra preservada no fóssil, cuja posição pode ser um artefato de sua preservação.

Assine a newsletter do Gizmodo

“O ponto principal, para mim, é que as superfícies articulares do espécime estão muito mal preservadas para fazer uma inferência de oponibilidade”, disse ele. “Acho que gostaríamos de mais e melhor preservados exemplos desta espécie antes de tirar conclusões precipitadas.”

A história do pterossauro, com cerca de 220 milhões de anos, ainda deixa muitas dúvidas, incluindo a questão de eles subirem ou não nas árvores. Mas, talvez com melhores evidências — mais fósseis no futuro — podemos obter algumas respostas concretas.