Um vulcão em uma das Ilhas Canárias entrou em erupção no último domingo (19), forçando cerca de 5 mil residentes e turistas a evacuar. Nenhum ferimento foi relatado. O chamado Cumbre Vieja fica na parte sul da ilha de La Palma, localizada na costa noroeste da África. Antes, ele entrou em erupção apenas duas vezes: primeiro em 1949 e novamente em 1971.

Autoridades de La Palma relataram que o Cumbre Vieja começou a entrar em erupção por volta das 15h30, horário local. Mas dias antes do ocorrido ele já havia mostrado sinais de perigo.

O Instituto de Vulcanologia das Ilhas Canárias, ou Involcan, disse ter registrado mais de 20 mil terremotos na área na semana anterior. Isso incluiu mais de 400 terremotos em uma única hora na sexta-feira, um sinal revelador de que o vulcão poderia estar despertando. Quando a erupção começou, o instituto alertou o público para ficar longe e fechar as janelas e portas.

Por terem observado toda aquela atividade sísmica, as autoridades estavam preparadas. Algumas pessoas com problemas de saúde e deficiências foram evacuadas antes mesmo do problema ocorrer. As autoridades também realocaram animais de fazenda da região e fecharam trilhas para caminhadas.

Foto: Jonathan Rodriguez (AP)

O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez adiou uma viagem a Nova York para a Assembleia Geral das Nações Unidas para que pudesse viajar a La Palma. Poucas horas depois das evacuações em massa, o Ministro do Turismo da Espanha, Reyes Maroto, chamou a erupção de um “show maravilhoso” e disse que as ilhas eram seguras para visitantes.

Porém, para os que estão no terreno, a história é diferente. Mariano Hernández Zapata, o presidente do conselho da ilha, disse ao El Pais que a erupção foi “devastadora” e que os fluxos de lava “estão devorando as casas, infraestrutura e plantações que encontra em seu caminho.”

Pelo menos 20 casas foram destruídas até agora. A lava está se movendo a cerca de 700 metros por hora e, embora os fluxos ocorram em áreas escassamente povoadas, o risco de mais destruição permanece.

Foto: Desiree Martin/AFP (Getty Images)

Os funcionários da Involcan têm trabalhado arduamente para medir tudo o que podem sobre a atividade vulcânica. Antes da explosão, os sismólogos registraram tremores de até 4,2 de magnitude. E as primeiras medições da temperatura da lava mostraram que ela estava a 1.075 graus Celsius — quente o suficiente para incinerar qualquer coisa em seu caminho.

A grande questão é por quanto tempo durará a erupção. “Isso pode parar repentinamente ou persistir por dias, semanas ou até meses”, disse Robin George Andrews, vulcanologista e escritor, no Twitter. “Nesse caso, espere muita lava fluindo pelo sul da ilha.”

A erupção é certamente assustadora para os que estão por perto. Mas será que os mais distantes deveriam se preocupar? Após a explosão, pessoas começaram a expressar preocupações de que a erupção poderia desencadear um deslizamento de terra e um mega tsunami no Oceano Atlântico.

Foto: Borja Puig de la Bellacasa/Governo Espanhol (AP)

A preocupação é essencialmente que uma erupção possa causar o colapso do flanco do vulcão, gerando um deslizamento de terra no oceano que geraria um grande tsunami que cruzaria o Atlântico e atingiria o Nordeste com ondas de até 25 metros. O cenário, baseado em um artigo de pesquisa de 2001, parece um filme de desastre.

Horrível, certo? Mas provavelmente podemos relaxar sobre o risco neste ponto. Pesquisas mais recentes mostram que o pior cenário é improvável. Dave Petley, um especialista em riscos geográficos, resumiu grande parte dessa pesquisa em uma série de postagens de blog de 2017 para a American Geophysical Union. As descobertas, ele escreveu, mostram que um deslizamento de terra é possível, mas na magnitude do jornal de 2001. Qualquer tsunami “seria significativo ao cruzar a plataforma continental na costa leste da América do Norte, mas perderia uma grande quantidade de energia devido aos efeitos de fricção nesta região”, resultando em um tsunami de 2 metros.

Foto: Jonathan Rodriguez (AP)

É improvável que a erupção atual cause isso. Como Andrews observou no Twitter, “você não precisa se preocupar com um tsunami apocalíptico destruindo a cidade de Nova York por causa do que está acontecendo em La Palma”.