Estas flores e plantas foram capturadas nestas fotografias sem usar uma câmera. Como? Elas foram imersas em solução fotográfica, colocadas em cima de uma chapa de metal e sofreram um choque de 80.000 volts.

Este tipo de imagem se chama Kirliangrafia ou eletrofotografia. O processo faz elétrons pularem da chapa de metal através da solução fotográfica ou silicone. O impulso elétrico, então, passa pelas flores até chegar em um papel fotográfico. O resultado é pintado à mão com a luz branca vinda de uma fibra ótica, com espessura de um fio de cabelo humano.

Woodland Trio - Robert Buelteman

O processo foi descoberto acidentalmente por um eletricista e cientista russo, e se popularizou na década de 1930. Além de belas fotografias, ele tem suas propriedades diagnósticas estudadas. Há quem defenda a aplicação da Kirliangrafia para diagnóstico de doenças, como o câncer. Há quem acredita, também, que esta “aura” que as imagens apresentam teria relação com espiristimo.

O que a kirliangrafia realmente mostra é incerto. O que não podemos negar é que os resultados são impressionantes. Então vamos dar uma olhada abaixo nas fotos de Robert Buelteman, que ocasionalmente precisa de 150 tentativas até conseguir uma destas imagens eletrizantes. Também temos imagens de outros eletrofotógrafos do Flickr. [Robert Buelteman via designboom]


As fotos de Robert Buelteman:

Mule's Ear - Robert Buelteman

 

Maidenhair Fern - Robert Buelteman

Buckeye Leaves - Robert Buelteman

 

Além de plantas, Buelteman trabalhou com líquens:

Fallen Lichen - Robert Buelteman

 

Robert Buelteman fez esta foto com folhas de mostarda indiana:

Indian Mustard - Robert Buelteman

 

Nesta eletrofotografia, você consegue ver a folha por dentro, com seus vasos condutores. [Nebarnix/Flickr]

Nebarnix/Flickr

 

Esta imagem mostra o processo de eletrofotografia. [Thorius/Flickr]

Thorius/Flickr