A Bill & Melinda Gates Foundation tem um novo alvo: os mosquitos Aedes aegypti, que transmitem o vírus zika e da dengue, entre outras doenças. E, para enfrentá-los, a ideia é usar mosquitos infectados com doenças sexualmente transmissíveis.

>>> Bill Gates diz que sistema de energia está quebrado e está doando US$ 2 bi para consertá-lo
>>> OMS rejeita pedido de mudança nas Olimpíadas apesar do vírus zika



Bill Gates se envolve em filantropia desde antes de se aposentar da Microsoft, e depois da sua saída da empresa que ajudou a fundar as coisas ficaram mais ousadas, além de certa vez ter até bebido água extraída de cocô. A Gates Foundation já financiou camisinhas feitas com o mesmo material das lentes de contato e quer colocar chips contraceptivos em mulheres. As causas são sempre nobres, e, se a abordagem aqui não é bizarra como em outros casos, ao menos o que motiva a fundação continua sendo algo positivo para o mundo.

Durante o Code Conference, realizado pelo Recode nos EUA, Susan Desmond-Hellman, CEO da Bill & Melinda Gates Foundation, falou um pouco sobre um kit que a fundação está financiando que contém ovos de mosquitos infectados com uma bactéria. Quando esses insetos nascerem e tiverem suas crias, essa nova geração de mosquitos não será capaz de transmitir doenças como o vírus zika.

dengue-gates-foundation

Susan Desmond-Hellman, CEO da Bill & Melinda Gates Foundation, mostra kit para combater dengue bancado pela fundação.  Caixinha contém ovos de mosquito infectados e comida para atrair transmissores

Nos vídeos abaixo (em inglês), Desmond-Hellman comenta o projeto:

Na verdade, faz ao menos oito anos que a fundação financia pesquisas feitas por cientistas australianos para combater a dengue – eles só vão agora expandir os esforços para o vírus zika. “O zika não estava na lista de ninguém”, explicou Desmond-Hellman, lembrando que, por mais que o vírus seja conhecido há décadas, não houve muito esforço para estudá-lo e pará-lo até o recente surto que começou aqui no Brasil.

E também não é a primeira vez que cientistas combatem fogo com fogo – ou melhor, mosquito com mosquito. Também em iniciativas de combate à dengue, mosquitos Aedes aegypti geneticamente modificados foram soltos em Piracicaba, no interior de São Paulo, no ano passado com o mesmo conceito por trás: uma larva mutante do inseto impedia que novas larvas se desenvolvessem até a fase adulta.

[Recode]

Crédito da imagem: AP Images