No início do mês, o cartunista Laerte perdeu seu acervo de 12 anos quando assaltantes levaram dois computadores e um HD externo de sua casa. Ontem, aconteceu algo semelhante: o laptop do quadrinista norte-americano Art Spiegelman sumiu no congresso do qual ele participava em São Paulo. Spiegelman diz: “vou levar um ano para recuperar tudo que perdi”. O caso reforça a necessidade de fazer backup, inclusive na nuvem.

Spiegelman é conhecido por ganhar o prêmio Pulitzer por sua graphic novel “Maus”, que conta a história de seus pais durante o Holocausto. Ele daria uma palestra ontem no teatro Tuca, e deixou seu MacBook no palco para ser ligado ao projetor. Quando ele voltou, o MacBook sumiu. Ele deu a palestra mesmo assim, pois tinha o conteúdo em um pendrive. Mas disse à Folha: “eu teria de trabalhar um ano para recuperar tudo o que estava naquele computador”.

Infelizmente não podemos evitar furtos como estes – ou mesmo falhas de hardware – mas dá para se preparar caso aconteçam. Já passou da hora dos artistas também usarem a nuvem para backup, e Laerte descobriu isto. Ele disse ao R7 no início do mês:

Tenho que tomar mais cuidado, fazer back-ups rapidamente e adotar tecnologias mais modernas de arquivamentos. Vou começar a fazer isso agora. Descobri uma ferramenta que é online e vai salvando tudo que você vai fazendo. E você paga um X por mês.

Mais artistas deveriam seguir este exemplo: se seu trabalho é armazenado de forma digital e é bastante importante, guarde-o em backup externo e use também a nuvem – Dropbox, Box, Skydrive, Google Drive, o que for. Só lembre de colocar uma boa senha, de usar um serviço que respeite sua propriedade intelectual, e pronto.

E, com backup ou sem, esperamos que Laerte e Spiegelman consigam recuperar suas obras perdidas. [Folha]

Foto por Wexner Center/Flickr