Sim, o Google anunciou a morte (leia-se parar de desenvolver para a plataforma) do Google Wave, o serviço revolucionário que mudaria os meios de comunicação para sempre. Mas antes de você sair escrevendo coisas como “finalmente!”, “não servia para nada!”, leia atentamente os próximos parágrafos.

Pense realmente se vale a pena esculhambar a marolinha: nós aqui do Gizmodo Brasil adoramos a ferramenta e a usamos diariamente para o trabalho e estamos realmente tristes com o fim da onda. Se não fosse por ela, nós nunca conseguiríamos trabalhar direito em equipe. E já estamos em crise por conta de seu fim. (As últimas duas frases são fictícias, apenas para dar um ar mais dramático ao post.)

Segundo as palavras de Urs Holzle, do Google:

O Wave não teve a adoção de usuários que nós queríamos. Nós não planejamos continuar desenvolvendo o Wave como um produto único, mas nós manteremos o site funcionando até o fim do ano e estenderemos a tecnologia para o uso em outros projetos do Google. A parte central do código, assim como os protocolos que criaram vária inovações do Wave, como o drag-and-drop e a escrita em tempo real de caractere por caractere, já estão disponíveis como código aberto, assim os usuários e parceiros poderão continuar a inovação de onde nós começamos. Adicionalmente, nós trabalharemos em ferramentas para que os usuários possam “liberar” com facilidade seus conteúdos do Wave.

O Wave nos ensinou muitas coisas, e nós estamos orgulhosos pela equipe pelo modo com que eles levaram a ciência da computação a vários limites. Nós estamos na expectativa do que eles irão desenvolver agora, já que continuaremos a criar inovações com potencial para avançar tecnologicamente.

Particularmente, eu acredito que o Google errou ao lançar o Wave às pressas, no mesmo dia em que a Microsoft apresentou o Bing, como quem diz “ei, vocês têm um buscador, nós temos o futuro! Onda, onda, olha a onda!”. Essa pressa fez o Wave chegar cheio de bugs e lentidão, o que decepcionou praticamente todo mundo que esperava a revolução digital. Para os 2% que voltaram ao sistema quando ele foi modificado, a sensação foi outra. Quando o Pedro me falou que eu teria que usar o Wave eu realmente pensei “ei, que papo é esse?”. Porém, em pouco tempo eu entendi que ele finalmente tinha ficado estável e atendia os requisitos que nós do Giz precisávamos.

E é assim, depois de um relato emocionado e olhos cheios, que nós declaramos o fim do Google Wave. Pedimos um minuto de silêncio nos comentários. Depois, pode zoar à vontade. [Google Blog]