Um vilarejo na costa da França proibiu que banhistas nadem na presença de Zafar, um golfinho nariz-de-garrafa que está problematicamente excitado.

Roger Lars, prefeito de Landévennec, decretou uma lei na última semana que proíbe que se nade ou mergulhe na costa quando Zafar estiver presente, assim como se aproximar a menos de 45 metros (50 jardas) dele.

Zafar está “querendo, precisando, desejando contato social, e sua carência não está sendo preenchida”, diz Elizabeth Hawkins, pesquisadora-chefe do Dolphin Research Australia, ao The Washington Post. “Ele pode tentar diversos comportamentos de golfinho com humanos para tentar preencher esse vazio.”

• Nos anos 60, um experimento da NASA terminou em sexo e com o suicídio de um golfinho
• Peças de Lego vêm surgindo nas areias desta praia por 17 anos

Algum desses comportamentos, segundo testemunhas, incluem se esfregar em banhistas, barcos e caiaques. Ele também tentou impedir que uma nadadora voltasse para a praia. A banhista precisou ser trazida por um barco de resgate.

Samy Hassani, diretor de conservação de espécies do Océanopolis, disse a Ouest-France que Zafar se esfrega em pessoas e barcos “quando ele está no cio”.

Hassani nota que Zafar é um golfinho solitário — isso significa que ele deixou seu grupo e vive sozinho. O jornal The Telegraph reporta que há vários fatores que servem de explicação para um animal dessa espécie viver sozinho, como “disponibilidade de alimento, perturbação de predadores, estratégias reprodutivas e a perda de um amigo ou companheiro”. Pode ser também que o grupo o expulsou por alguns desses motivos.

Críticos da nova lei da cidade dizem que esta é uma reação extrema, dado que Zafar nunca machucou ninguém. O especialista em legislação ambiental Erwan Le Cornec disse ao Le Telegramme que pretende contestar a regulamentação.

O golfinho não parece ser uma ameaça séria — Zafar tinha um relacionamento muito bom com a cidade antes de entrar no cio. Mesmo assim, especialistas creem que as novas normas também podem fazer bem ao animal. Ao ficar acostumado a interagir com humanos, seus instintos naturais contra o perigo ficam prejudicados. “Há histórias terríveis de como as pessoas interagiram com esses animais”, diz Hawkins ao Washington Post.

De fato, um estudo de 2008 da Marine Connection defende que golfinhos solitários que se tornam populares em cidades costeiras precisam de proteção legal para prevenir danos não intencionais entre humanos e criaturas marinhas.

Todos os conhecedores do assunto, porém, parecem concordar que Zafar não é um perigo. Ele só está carente e procurando amor. Na pior das hipóteses, o golfinho rejeitado só ficou mais parecido com um ser humano.

[The Washington Post]

Imagem do topo: Getty