Biólogos no Havaí detectaram uma cepa desconhecida de Morbillivirus em cetáceos. O patógeno pode causar infecções mortais em mamíferos marinhos de todo o mundo. O vírus foi encontrado em um golfinho-de-Fraser solitário – uma espécie altamente social – levando a preocupações de que a doença pudesse se espalhar e causar estragos fora do oceano Pacífico central. Os achados da pesquisa foram publicados em Scientific Reports.

O golfinho-de-Fraser juvenil macho (Lagenodelphis shoei) ficou preso na costa de Maui em 2018, dando início a uma investigação de dois anos sobre sua condição. Seu corpo estava em boa forma, mas seus órgãos e células apresentavam sinais de doenças. Uma análise genética de culturas de células revelou o culpado: uma “cepa nova muito divergente de morbilivírus” que os cientistas “desconheciam anteriormente”, como Krisi West, pesquisadora associada do Instituto Havaí de Biologia Marinha da UH Mānoa, explicou em um comunicado à imprensa.

Os cientistas conhecem poucas cepas do morbillivirus, mas as notícias não são boas; o vírus está causando surtos mortais entre mamíferos marinhos, incluindo cetáceos (o grupo que inclui ambos os golfinhos e baleias) em todo o mundo. Outras espécies do gênero Morbillivirus incluem o vírus que causa o sarampo humano e o vírus da cinomose canina.

Os golfinhos-de-Fraser são altamente sociáveis ​​e amigáveis, e são conhecidos por se misturarem com outros golfinhos e baleias. Consequentemente, eles, uma espécie oceânica, podem trazer esse patógeno altamente infeccioso para outras partes do mundo, exigindo que os gestores da vida selvagem marinha e os conservacionistas estejam atentos.

“É muito importante para nós aqui no Havaí avaliarmos a situação porque temos outras espécies de golfinhos e baleias – cerca de 20 que chamam a região de lar – que também podem ser vulneráveis ​​a um surto deste vírus”, acrescentou West. “Um exemplo são nossas falsas baleias assassinas ameaçadas de extinção – onde há uma estimativa de apenas 167 indivíduos restantes. Se esse novo agente se espalhar por essa população, isso não só representa um grande obstáculo para a recuperação da população, mas também pode ser uma ameaça de extinção”.

Imagem: K. West e equipe, 2021 / Cindy Kern

Na verdade, este é um assunto muito sério. Dois incidentes anteriores envolvendo novas cepas de morbilivírus resultaram em altas taxas de mortalidade entre golfinhos no Brasil e na costa oeste da Austrália. No exemplo brasileiro, acredita-se que mais de 200 golfinhos da Guiana morreram da doença de novembro a dezembro de 2017.

Os autores do novo estudo afirmam que mais pesquisas serão necessárias para testar as taxas de imunidade entre golfinhos e baleias no Pacífico central, pois isso poderia ajudar a estabelecer as taxas de infecções anteriores e o cenário de um possível surto.

No entanto, controlar essa doença não será fácil. O laboratório Health and Stranding consegue recuperar menos de 5% dos cetáceos que morrem nas águas do Havaí. A equipe está pedindo ao público que relate avistamentos de mamíferos marinhos mortos e em perigo para a rede de cuidado aos mamíferos marinhos, NOAA Marine Wildlife Hotline.

Assine a newsletter do Gizmodo

De forma encorajadora, uma campanha de imunização em massa pode ser possível. Como aponta o comunicado de imprensa, a NOAA tem trabalhado em um programa de vacinação contra morbilivírus para criar imunidade coletiva entre as focas-monge ameaçadas de extinção do Havaí.