O Google I/O acontecerá no fim desta semana e provavelmente será durante ele que conheceremos mais sobre o Brillo, o sistema operacional do Google com nome estranho voltado para dispositivos de baixa potência e que é perfeito para lares inteligentes e para a internet das coisas.

>>> As futuras novidades do Google I/O, incluindo uma nova versão do Android

A notícia sobre o Brillo é intrigante por dois motivos. Em primeiro, mostra que o Google não desistiu da internet das coisas, o que significa que podemos esperar alguns dispositivos rodando o Brillo no futuro próximo. E, em segundo lugar, sugere que o Google talvez esteja tentando se distanciar do Nest, seu outro produto para casas inteligentes. Os dispositivos Nest tinham tantos bugs que um dos engenheiros do Google postou um vídeo arrancando alarmes de incêndio do Nest da sua casa, jogando eles em um balde de gelo e então arremessando-os para longe da sua casa.

O Brillo é um projeto interno do Google que já dura algum tempo – uma busca no rastreador de bugs do site do Google Code Chromium mostra referências ao Brillo de fevereiro para cá. Mas, na semana passada, um artigo no The Informant finalmente deu ao público uma boa imagem do que a empresa quer fazer com seu novo sistema operacional. O Brillo foi projetado para ser especialmente leve e gastar pouca memória, o que é perfeito para dispositivos de casas inteligentes que são controlados via uma interface web, como fechaduras, refrigeradores e sistemas de controle climático. Geralmente esses dispositivos possuem muito menos memória do que um smartphone ou computador, e o Brillo aparentemente foi feito para dispositivos com 64 ou até mesmo 32 MB de RAM.

Além disso, o Brillo provavelmente vai usar a marca Android, de acordo com a reportagem:

O Google provavelmente vai lançar o software sob a marca Android, considerando que o grupo de desenvolvimento do software está vinculado à unidade do Android dentro da empresa. As exigências baixas de memória para dispositivos que rodarem o novo sistema marcarão uma grande mudança em relação às últimas versões do Android, voltadas principalmente para smartphones com ao menos 512MB de memória.

Então ele é baseado no Android. E o Google provavelmente oferecerá o Brillo gratuitamente para fabricantes de hardware. Sem dúvidas a empresa espera entrar de cabeça no mercado de software para casas inteligentes ao encorajar fabricantes a adotar o Brillo como sistema operacional.

Pense em uma casa inteligente que é basicamente controlada por dispositivos Android, e você pode ter uma boa ideia do que é o sonho do Brillo. Compre alguns Chromebooks e você tem um ecossistema completo de gadgets que usam o Brillo para criar uma rede entre eles, ou com servidores na nuvem. Eu espero que a minha casa inteligente com o Brillo venha com um desses robôs feitos pela Boston Dynamics (lembra que o Google comprou eles em 2013?)

Os robôs podem ficar no jardim de casa e, usando meu dispositivo com Android, posso ativá-lo para assustar qualquer pessoa que tentar invadir minha casa usando falhas de segurança nas minhas fechaduras Brillo. Parece bem legal.