O Latin American Research Awards, mais conhecido como LARA, é uma premiação do Google voltada para a pesquisa acadêmica. O prêmio chega à sua oitava edição em 2020 e vai distribuir em US$ 500 mil em bolsas para estudantes de mestrado e doutorado da América Latina e seus orientadores. As inscrições para o LARA 2020 começam nesta quinta (2), e há uma categoria especial para projetos voltados ao enfrentamento da pandemia de COVID-19.

O objetivo da iniciativa, segundo Berthier Ribeiro-Neto, diretor de engenharia do Google para a América Latina, é fortalecer o ecossistema local de pesquisas. Ele também diz que os projetos devem ter como foco “resolver problemas do homem comum” usando a tecnologia, como forma de causar impacto nas comunidades locais.

Os prêmios são pagos na forma de bolsas com duração de um ano, podendo ser renovadas anualmente, com um limite de dois anos para quem está no mestrado e três no doutorado. Para doutorandos, o valor é de US$ 1.200 mensais, com mais US$ 750 para o professor orientador. Para quem está no mestrado, o valor é um pouco menor: US$ 750 mensais para o aluno e US$ 675 para o professor.

No total, serão US$ 500 mil em bolsas, e o número de projetos selecionados deve ficar entre 20 e 25 — o número de projetos vencedores depende do nível acadêmico dos vencedores: se mais mestrandos forem selecionados, os valores são menores, então podem ser divididos entre mais projetos; se forem mais doutorandos, acontece o contrário.

As bolsas são pagas sem nenhum tipo de contrapartida. Ribeiro-Neto diz que o Google não está interessado na propriedade intelectual das soluções desenvolvidas — ela continua pertencendo aos alunos e professores.

Este ano, o Google incluiu também uma categoria exclusiva para saúde e COVID-19, como forma de incentivar e apoiar projetos que ajudem no enfrentamento da pandemia. A lista completa inclui categorias variadas, como mapas, processamento natural de línguas, internet das coisas e privacidade.

Os projetos serão selecionados por um comitê de engenheiros do centro do Google em Belo Horizonte. Ao todo, nas sete edições anteriores, o LARA já contemplou 120 projetos com o valor total de US$ 3,5 milhões. Nós cobrimos a premiação da edição 2016.

Entre os brasileiros que venceram o prêmio, há projetos com objetivos bastante variados, incluindo uso de inteligência artificial para interpretar eletrocardiogramas e fazer diagnósticos de câncer de pele, detecção automática de focos de proliferação do Aedes aegypti, algoritmos para distribuição de terra para reforma agrária e combate a notícias falsas por análise de filogenia.

As inscrições começam nesta quinta (2) e vão até o dia 30 de julho. A apresentação do projeto deve ser bastante sucinta, com no máximo três páginas, além de duas para o currículo do orientador — você pode ver mais detalhes na página do Google.