Quando se fala em smartphones ainda não oficializados, tudo é incerto – inclusive o nome. E enquanto faz sentido que o próximo Nexus se chame “Nexus 6”, ele provavelmente terá outro nome, porque o Nexus 6 já existe: não como um smartphone, mas como uma tecnologia muito mais avançada – mesmo que fictícia.

O livro O caçador de androides (1968), escrito por Philip K. Dick, conta a história de um futuro distópico onde há replicantes “Nexus-6”, androides superavançados que são indistinguíveis dos humanos, exceto por serem mais fortes e aguentarem altas temperaturas.



O livro foi notoriamente adaptado por Ridley Scott em 1982 sob o nome Blade Runner. No filme, o Nexus-6 é um produto vendido com o slogan “mais humano que humanos”. O principal Nexus-6 é Roy Batty, que lidera uma rebelião dos replicantes na Terra.

Bem, o marketing em torno do Nexus 6 poderia se beneficiar bastante de tudo isso – deixando de lado a parte da “rebelião na Terra”- mas o Google já teve problemas judiciais antes com o espólio de Philip K. Dick (o autor faleceu em 1982), quando chamou seu primeiro dispositivo de Nexus One em 2009.

Na época, a família de PKD tinha motivos para desconfiar das intenções do Google, porque a operadora americana Verizon havia pago uma boa quantia à Lucasfilm quando lançou na mesma época a linha Motorola Droid (Milestone no Brasil).

Para evitar o que seria uma ligação direta ao trabalho de Dick com a sexta versão da série Nexus, o Google aparentemente decidiu abandonar a tradição numérica e renomear o possível dispositivo de 5,9 polegadas de Nexus X, de acordo com o Phone Arena.

O “X” também faz referência ao principal aparelho atual da Motorola, e é mais um indício de que o dispositivo será essencialmente uma versão maior do Moto X+1 – daí seu codinome, “Shamu”.

No entanto, ao contrário do X+1, o Nexus X vai rodar Android 100% puro, assim como as cinco iterações anteriores. Rumores dizem que o smartphone virá com uma tela 2K, processador Snapdragon 805, câmera de 13MP, e terá um “lançamento sem alarde” no final de outubro/começo de novembro, assim como o Nexus 5 no ano passado.

Ainda não ouvimos detalhes confiáveis sobre o preço, mas esperamos que o Google continue sua filosofia de oferecer dispositivos baratos (ao menos nos EUA), mesmo que abandone sua convenção no nome. [Phone Arena]

Foto por Michael/Flickr