O Google anunciou nesta terça-feira (19) na Game Developers Conference sua aguardada plataforma de games por streaming. A novidade se chama Stadia e promete que será possível jogar qualquer título de topo de linha em laptops através do navegador Chrome, tablets e smartphones Android e TVs com Chromecast Ultra.

O Stadia funciona em qualquer dispositivo que suporta o protocolo Chromecast. Ou seja, é compatível com iOS, Android, ChromeOS, macOS, Windows e aparelhos Chormecast. Todos eles conversam com os 7.500 nós de data center (espalhados por todo o mundo) e reconhecem uma conta em específico, permitindo que você vá de um dispositivo para outro sem complicações entre os diferentes sistemas, pois o jogo está sendo todo rodado no datacenter.

A ideia, de acordo com a apresentação, é disponibilizar instantaneamente os jogos — sem downloads, sem atualizações, sem instalações. O exemplo dado no evento foi o de Assassin’s Creed Odyssey: você pode ver o trailer do jogo no YouTube e, se gostar, clicar em jogar. O game começaria a rodar em no máximo seis segundos.

“A plataforma não é uma caixa”, diz Phil Harrison, vice-presidente e diretor-geral do Google. “A plataforma é um datacenter.” Os números mostrados pela empresa são impressionantes e jogam as expectativas lá no alto — os datacenters do Stadia disponibilizaria para cada jogador um poder de processamento gráfico de 10,7 teraflops, contra 6 teraflops do Xbox One X, da Microsoft, e 4,2 teraflops do PS4 Pro, da Sony.

Todo este processamento prometido pelo Google fará com que o Stadia na estreia possa realizar streaming de jogos em 4K a 60 quadros por segundo (fps). A empresa diz ainda que seus sistemas poderão ser atualizados para 8K a 120fps no futuro.

No entanto, os jogos não poderão ser simplesmente migrados de outras plataformas pelos desenvolvedores. Os games precisarão ser desenvolvidos especificamente para essa nova plataforma. Bethesda e Ubisoft foram alguns dos parceiros presentes na apresentação e parecem estar comprometidos com a novidade do Google.

Para complementar a experiência, o Stadia contará com um controle que funciona Wi-Fi e que entenderá em qual tela o usuário quer jogar. Além dos botões direcionais convencionais, o controle conta com um um para salvar o jogo e outro com o Google Assistant, que poderá oferecer informações do game — sim, existe um microfone no controle que permitirá esse tipo de interação. O Google diz que o controle se conecta diretamente ao servidor da empresa para tentar reduzir o lag nos jogos.

O Stadia também terá recursos especiais para transmitir partidas pelo YouTube e compartilhar imagens e status em redes sociais. A integração com o Google Assistant e com o YouTube vai um pouco além disso. Na apresentação, Harrison diz que será possível perguntar “como eu passo dessa fase?” — o Google Assistant entende o jogo que você está jogando e em que fase você está e encontra o tutorial no YouTube mais apropriado para te ajudar.

O Google não é o primeiro a entrar na onda do streaming de games — a Nvidia tem trabalho nisso com o GeForce Now desde 2015, enquanto a startup europeia Shadow lançou seu serviço nos EUA em 2018. Um dos rivais mais óbvios do Google, a Microsoft planeja lançar seu sistema de streaming de games ainda neste ano.

De acordo com Harrison, o Stadia será lançado ainda este ano, nos EUA, Canadá e grande parte da Europa. Ainda não há uma data, nem detalhes sobre preço ou velocidade de conexão necessária para rodar bem a plataforma. O executivo prometeu dar mais detalhes em um evento a ser realizado no segundo semestre, provavelmente o Google I/O.