Uma situação de emergência internacional – é assim que a OMS (Organização Mundial da Saúde) descreve as infecções pelo vírus zika no mundo. O Brasil tem 462 casos confirmados de microcefalia em recém-nascidos, e 41 deles estão ligados ao vírus. Agora, o Google está ajudando a combater essa pandemia.

>>> Zika pode estar associado a casos de paralisia em centenas de adultos no Brasil

O Google anunciou em seu blog oficial que doou US$ 1 milhão à Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância). O objetivo é ajudar no combate ao Aedes aegypti no Brasil e em toda a América Latina.

“Este US$ 1 milhão será usado pela Unicef em esforços de conscientização, de redução das populações de mosquitos, e de trabalhos com comunidades e governos focados na prevenção da transmissão do zika”, diz o Google. A empresa também lançou uma campanha interna para arrecadar mais US$ 500.000 em doações de seus funcionários.

Além disso, engenheiros do Google estão trabalhando com a Unicef para analisar dados e mapear as infecções do zika. Este sistema de código aberto ainda está sendo criado, e poderá ser útil para situações futuras de emergência.

Uma equipe de engenheiros, cientistas de dados e designers voluntários do Google está ajudando a Unicef a construir uma plataforma para processar dados de diferentes fontes (por exemplo, dados meteorológicos e padrões de viagens), a fim de visualizar possíveis surtos. O grande objetivo desta plataforma de código aberto é identificar o risco de transmissão da zika para diferentes regiões e ajudar a Unicef, governos e ONGs a decidir como e onde concentrar seu tempo e recursos.

O Google viu um aumento de 3.000% nas buscas sobre o vírus zika desde novembro, ilustrado por este mapa interativo:

Por isso, se um usuário procurar pelo termo “zika”, agora aparece um quadro – tanto no desktop como no celular – com várias informações sobre o vírus, sintomas e alertas de saúde pública:

google tabela zika

E o Google está cooperando com YouTubers na América Latina, como o Dr. Dráuzio Varella, Manual do Mundo e Vila Sésamo, para que eles produzam mais vídeos sobre o assunto.

Anteriormente, o Google ajudou em doações para a crise dos refugiados, e para instituições de combate ao ebola.

[Blog do Google Brasil]

Foto por Eraldo Peres/AP