Após um surto de doenças misteriosas relacionadas a cigarros eletrônicos e associadas a pelo menos seis mortes, e o novo foco no uso disparado por adolescentes, o governador de Nova York, Andrew Cuomo, anunciou no domingo (15) que está buscando regulamentos de emergência que proíbam a venda de outros cigarros eletrônicos com sabor que não sejam tabaco e mentol em todo o estado.

A Casa Branca anunciou na semana passada que também está considerando retirar todos os cigarros eletrônicos com um sabor diferente do tabaco do mercado, enquanto a Food and Drug Administration (FDA) alertou separadamente a líder de mercado Juul que poderia remover seus produtos do mercado caso a empresa comercializasse para crianças ou retratasse seus produtos como completamente seguros. De acordo com o New York Times, Cuomo disse a repórteres em seu escritório no centro de Manhattan que ele deseja que Nova York se torne o segundo estado a proibir cigarros eletrônicos com sabor (depois de Michigan), chamando a situação de “crise de saúde”.

“Vaping [uso de cigarro eletrônicos e vaporizadores] é perigoso”, disse Cuomo. “Ponto final. Ninguém pode dizer que o uso a longo prazo de cigarros eletrônicos – em que você inala vapor e substâncias químicas profundamente em seus pulmões – é saudável”.

Observe que, por “cigarros eletrônicos com sabor”, as autoridades se referem a uma variedade de produtos, incluindo dispositivos descartáveis ​​que vêm com cápsulas pré-cheias e pré-embaladas, como as produzidas para produtos do tipo Juul, e líquidos e óleos para vaporizadores vendidos para recarregar dispositivos reutilizáveis.

Embora inicialmente ainda não estivesse claro como exatamente as centenas de casos de doença pulmonar e seis mortes ligadas ao vaping em dezenas de estados ocorreu, muitas das amostras testadas pelo Centros para Controle de Doenças foram produtos de maconha contendo grandes quantidades de acetato de vitamina E . Quando o acetato de vitamina E, um óleo que pode ser combinado com óleo da erva para aumentar os lucros, não é aquecido o suficiente durante a aerossolização, isso pode causar problemas inflamatórios e pulmonares – e, como o New York Times relatou separadamente, um recente incidente em Wisconsin envolvendo dois irmãos ilustrou como é fácil fabricar em massa produtos de óleo de maconha falsificados que se assemelham a marcas legítimas de estados onde a maconha foi legalizada.

As doenças relacionadas a vaporizadores e a cigarros eletrônicos com sabor, que são particularmente controversos por estarem fortemente associados ao uso por menores de idade, são questões separadas. O ex-chefe da FDA, Dr. Scott Gottlieb, inicialmente estendeu os fabricantes de cigarros eletrônicos um atraso de quatro anos antes que seus produtos precisassem ser avaliados por questões de segurança em 2017, mas depois começou a advogar uma regulamentação muito mais rígida dos produtos vaping. Gottlieb disse ao USA Today na semana passada que as doenças e os cigarros saborizados foram “confundidos” e são “ações separadas e preocupações separadas de saúde pública”, mas ele também disse à CNBC que estava na hora de um “acerto de contas federal”.

“As pessoas que estão fumando nicotina e tendo essas reações provavelmente estão fumando produtos ilegais que são falsificados”, disse Gottlieb à CNBC. “Temos que ter um acerto de contas federal aqui…[Os estados que permitem o uso recreativos da maconha] não têm a supervisão adequada, de modo que esses vaporizadores ilegais estão entrando no mercado”.

Segundo o Times, o plano de Cuomo envolve o “órgão regulador pouco conhecido” de Nova York, o Conselho de Saúde Pública e Planejamento em Saúde, liderado pelo comissário estadual de saúde Dr. Howard Zucker. Cuomo planeja que o conselho atenda e emita regras de emergência que proíbam imediatamente os cigarros eletrônicos com sabor.

“Precisamos resolver isso o mais rápido possível”, disse Zucker a repórteres, dizendo que o estado havia rastreado 64 casos de doenças pulmonares relacionadas ao vaping. “Não precisamos repetir a história”.

A American Lung Association criticou a decisão de Cuomo de isentar os produtos com sabor de mentol da proibição, dizendo que ele perdeu “a oportunidade de tomar uma ação decisiva”, segundo o Times. O presidente da associação, Harold Wimmer, acrescentou que apoiava uma proibição federal de todos os produtos vaping com sabor, dizendo: “Embora o anúncio de hoje tenha sido bem-intencionado, levará nossos jovens a usar produtos com sabor de mentol em números ainda maiores”.

A Juul retirou a maioria de suas cápsulas com sabor, com exceção de tabaco, menta e mentol, das vendas em novembro de 2018. Segundo o New York Post, as vendas de suas cápsulas de menta subiram rapidamente, com dados da Nielsen mostrando que a Juul arrecadou impressionantes US$ 2,36 bilhões em vendas anualizadas em agosto de 2019. Uma fonte disse ao Post que foi um ganho de “200%” sobre as vendas anualizadas de US$ 791 milhões em outubro, antes de Juul retirar os outros sabores.