Em meio a um aumento exponencial no uso de cigarros eletrônicos entre adolescentes e crianças, o presidente Donald Trump anunciou que a Food and Drug Administration (FDA) está considerando retirar todos esses dispositivos com sabor (sem ser de tabaco) do mercado.

anúncio foi feito nesta quarta-feira (11) e segue uma série de ameaças de autoridades da agência. Elas dizem que tal medida seria iminente se empresas como a Juul não tomasse medidas adicionais para ajudar a conter o aumento alarmante de produtos vape entre os jovens. Trump disse durante uma sessão de perguntas e respostas no Salão Oval que nas próximas “duas semanas” os reguladores terão algumas “recomendações muito fortes”.

Ele também se pronunciou sobre vaporizadores: “Não é uma coisa maravilhosa. Tem grandes problemas.”

Na terça-feira (10), a primeira-dama Melania Trump tuitou que estava “profundamente preocupada com a crescente epidemia do uso de cigarros eletrônicos entre nossas crianças”, acrescentando: “Precisamos fazer tudo o que pudermos para proteger o público das doenças e mortes relacionadas ao tabaco, e impedir que os cigarros eletrônicos se tornem uma rampa de acesso à nicotina para uma geração de jovens.”

A FDA disse que os cigarros eletrônicos com sabor são particularmente problemáticos, pois sabores frutados, como manga, podem atrair adolescentes e crianças. A agência também disse que os jovens que experimentam primeiro um produto com tabaco que tem sabor, em vez de um sem sabor, têm maior probabilidade de se tornar usuário de tabaco do que aquelas cujo primeiro produto com tabaco não tinha sabor.

Produtos do tipo USB, que podem ser facilmente escondidos, como o Juul, também são vistos como responsáveis por um aumento no uso de cigarros eletrônicos e vaporizadores entre os jovens. O dispositivo da Juul tem sido regularmente criticado pela FDA por atrair crianças.

Na segunda-feira (9), a FDA emitiu um alerta à Juul sobre suas práticas de marketing e acusou a empresa de alegar que seus cigarros eletrônicos eram menos prejudiciais que os cigarros tradicionais, uma afirmação que a empresa não está autorizada a fazer. A agência também criticou a empresa por um incidente em que um representante da Juul visitou uma sala de aula e disse às crianças que o seu produto era “totalmente seguro”.

Em comunicado, o comissário interino da FDA Ned Sharpless disse que o aumento no uso de cigarros eletrônicos por jovens continua a aumentar, e “especialmente por meio do uso de sabores que atraem as crianças, tomaremos medidas ainda mais agressivas”.

Na semana passada, Michigan tornou-se o primeiro estado a proibir a venda de cigarros eletrônicos com sabor, citando um aumento no uso entre os jovens. Em uma declaração na época, a governadora Gretchen Whitmer acusou as empresas de tabaco de “usar sabores doces para viciar as crianças em nicotina e fazer alegações enganosas para promover a crença de que esses produtos são seguros”.

Em junho, San Francisco proibiu a venda de todos os cigarros eletrônicos, tornando-se a primeira grande cidade dos Estados Unidos a fazê-lo.