[Hands-on] Motorola Milestone 2

Ontem a Motorola lançou três novos smartphones com Android. O mais esperado era o Milestone 2, sucessor de um dos melhores celulares à venda no Brasil. Por fora, ele é praticamente idêntico ao primeiro modelo, lançado por aqui em dezembro, com teclado físico e material bem resistente. Por dentro, muda o processador, memória interna e o sistema operacional: sai o Android 2.1, entra o Android 2.2. É o suficiente para justificar o upgrade ou os R$ 1.699, preço sugerido dele desbloqueado? Nossas impressões.

Ontem a Motorola lançou três novos smartphones com Android. O mais esperado era o Milestone 2, sucessor de um dos melhores celulares à venda no Brasil. Por fora, ele é praticamente idêntico ao primeiro modelo, lançado por aqui em dezembro, com teclado físico e material bem resistente. Por dentro, muda o processador, memória interna e o sistema operacional: sai o Android 2.1, entra o Android 2.2. É o suficiente para justificar o upgrade ou os R$ 1.699, preço sugerido dele desbloqueado? Nossas impressões.

À primeira vista, o Milestone 2 é igual ao primeiro, lançado em dezembro. À segunda também: ele continua com um visual industrial sólido, resistente, mesmas dimensões. Na terceira, podemos ver que o formato um pouco mais arredondado, alguns botões externos diferentes, melhores e mais anatômicos, e o teclado físico melhor: sai o touchpad que 3 pessoas usavam, ganha-se mais espaço para teclas e alguns botões de atalho. Ele continua meio pesadinho (169g). A mentalidade geral é que "em time que está ganhando mexe-se pouco". No novo pacote a ser vendido no início de novembro, além da dock Station, teremos também um carregador e suporte veicular. 

Por dentro há algumas diferenças aparentemente significativas. Sai o processador de 550 Mhz, entra o novo OMAP de 1 GHz com aceleração gráfica e, segundo alguns benchmarks, mais rápido que o Snapdragon de concorrentes como o X10. UPDATE: Contra o Galaxy S ele ganha aparentemente por causa do Android 2.2, mas há indícios de que a GPU do concorrente coreano é melhor. Faz muita diferença? Deve fazer, provavelmente no uso diário e com aplicativos específicos que usam bastante gráficos, mas não conseguimos perceber no nosso curtíssimo tempo com ele na mão. Para abrir programas ele é melhor que o primeiro Milestone com Android 2.1 (mas não por muito), e um fio de cabelo mais lento que o iPhone 4 (em que pese a diferença dos sistemas operacionais).

Uma coisa que fiquei curioso para testar no hardware foi a câmera, um dos pontos fracos do primeiro Milestone. Para um celular da sua categoria, ela continua terrível. Veja a comparação (meio borrada, porque não podia descarregar a foto do Milestone 2) com a do iPhone 4:

  

Ao menos ele tem agora "estabilizador de imagem", foco com o toque e grava vídeos em 720p. Mas fotos mesmo, com cores boas em condições sub-ótimas, ainda está fora de questão.

Em termos de interface, a grande diferença é o Android 2.2, que fica meio enterrado embaixo da interface própria do Motoblur 1.5, que eu particularmente não gosto. Na prática, usando, ele é aparentemente a mesma coisa. Mas obviamente, há algumas diferenças básicas: no Market, há a possibilidade de dar o upgrade em tudo (o que economiza bastante tempo! (UPDATE: era exclusivo do 2.2, agora vale para todos os 2.1), há suporte ao Flash 10.1 e Adobe Air, é possível gravar os programas no cartão de memória, há um gerenciador de tarefas de fábrica, suporte para outros teclados (Swype, dicionário), habilidade de usá-lo como hotspot Wi-Fi, melhor sincronia com Exchange (inclusive calendário). Tudo isso parece sensacional, não?

Mas, em que se leve em consideração apenas o breve tempo que fiquei com ele, posso dizer, preparado para as pedradas, que o Android 2.2 faz muito pouca diferença. Sim, meu amigo dono de Milestone que está com uma tocha na mão para queimar a sede da empresa pelo atraso do upgrade, estou falando com você.

Se a diferença entre o Android 2.1 e o 1.5 e 1.6 é bem importante (e por isso os donos de Quench, Dexts e Backflips têm razão pela tristeza e revolta), do 2.1 para 2.2 ela é bastante sutil. Eu sei que os übergeeks vão lembrar que a performance no Javascript é 500% melhor, é só contar os MFLOPS daquele benchmark, etc etc. Mas na vida real, para a maior parte dos usuários (lembre-se que menos de 10% fez o upgrade do 2.0 para 2.1) parece que muda muito pouco.

O navegador que seria muito superior a tudo no universo, como propagandeado pelo Google, não impressiona frente ao do iPhone 4: 

De novo: passamos pouco tempo com ele, e havia nos aparelhos que testamos tudo do Motoblur ligado, o que pode prejudicar a experiência do usuário avançado. Nossos amigos do Giz US, que testaram a versão crua do Android 2.2, gostaram mais e viram mais diferença. Mas lá nos EUA eles têm algumas coisas que ainda não temos, como mais comandos por voz, Google Voice e navegador GPS curva a curva. Precisamos de mais tempo para cravar uma opinião definitiva.

Vale a compra?

Nós gostamos tanto do primeiro Milestone porque, mesmo com os bugs do Android, ele era a solução mais elegante e funcional de um smartphone não-Apple com reais vantagens sobre o iPhone 3GS. Dizíamos que apenas eles dois estavam um andar acima da concorrência e o Milestone talvez levasse alguma vantagem no custo/benefício porque, bastante importante, custava R$ 700 menos (comparando em planos semelhantes) que o smartphone da Apple.

Mas, com multitarefa, melhor tela e velocidade, o iPhone 4 tirou várias das vantagens que o Milestone tinha. E chegou recentemente por basicamente o mesmo preço. Pouco antes, apareceu o Galaxy S da Samsung, que apesar do Android 2.1, tem uma câmera e tela maior e melhor, tem TV e é mais leve – e aparentemente sofreu uma redução de preços. E não dá para esquecer o N8 da Nokia, mais barato, que pode atender um público específico por causa da melhor câmera da categoria e navegador GPS offline gratuito, apesar do Symbian. Em resumo: vale colocar o Milestone 2 entre os aparelhos a se considerar, mas a briga está mais equilibrada que no ano passado. E o Milestone 2, apesar de ser um ótimo smartphone, acaba fazendo com que o primeiro Milestone, cada vez mais barato, seja ainda mais interessante, como efeito colateral dos poucos upgrades significativos. 

Falaremos mais quando tivermos um para testar por mais tempo.

Sair da versão mobile