Empresas de cerveja e refrigerante estão fazendo vários redesigns de suas garradas ultimamente, e como muitas outras coisas essas ações parecem ser motivadas pelo apelo da marca (ou pelo dinheiro). Mas você não pode culpar empresas por quererem vender mais os seus produtos. Livre mercado! Mas nem sempre foi assim. Por um tempo na década de 1960 a Heineken tentou ganhar dinheiro enquanto fazia o bem ao mesmo tempo. E era uma ótima ideia.

A Heineken World Bottle (WOBO) foi sonhada pelo então CEO “Freddy” Heineken, que decidiu que o lixo não precisaria parar em praias (ele estava no sul do Caribe naquela época) se fosse reutilizado como material de construção de casas. Ele percebeu que se as garrafas de Heineken pudessem ser reutilizadas como tijolo elas poderiam fazer a diferença para casas acessíveis.



O arquiteto John Habraken começou a desenvolver uma garrafa que seria uma alternativa razoavelmente segura aos tijolos. A WOBO poderia ser empilhada horizontalmente, porque os fundos tinham um recuo que cabia o pesoço das outras garrafas, e os lados poderiam ser encaixados também.

As garrafas não eram perfeitas mas no teste de 100.000 feito pela Heineken (o que era o suficiente para construir 10 casas pequenas), elas fizeram o seu trabalho. Elas nunca foram produzidas em massa, no entanto. Como Mark Wilson diz no Co.Design:

Imagino que a WOBO estava à frente do seu tempo… nós criamos a expectativa da responsabilidade social corporativa com o tempo, e como consumidores, faremos o necessário para ajudar

Poderia ser interessante uma casa feita de garrafas, especialmente para aqueles que precisam de uma casa de qualquer jeito. [Co.Design]

Imagem: The New InstituteFlickr