Parece que incêndios violentos na Sibéria estão começando novamente — e alguns incêndios que nunca se apagaram depois do verão passado estão começando a aparecer na neve.

Na semana passada, as autoridades colocaram 1,7 milhão de residentes de Novobirsk sob o que é conhecido como um alerta de qualidade do ar de “céu negro”, já que a fumaça dos incêndios florestais próximos cobriu a cidade. No final de abril, o Siberian Times relatou que 27 casas foram destruídas na cidade de Kemerovo e 50 na terceira maior cidade da Rússia, Novosibirsk, com mais destruição em outros distritos vizinhos.

Com a aproximação do verão no Hemisfério Norte, incêndios como este na Sibéria não mostram sinais de desaceleração — e estão ocorrendo em áreas ainda mais frias ao norte. Imagens coletadas pelos satélites Copernicus Sentinel-2 no domingo e postadas no Twitter pela conta da Diretoria-Geral da Indústria de Defesa e Espaço da UE mostram um grupo de incêndios florestais perto de Oymyakon, uma área rural conhecida por ser um dos lugares mais frios da Terra. Outras imagens de satélite mostram focos de incêndio em paisagens cobertas de neve.

Você provavelmente pode achar que a Sibéria — especialmente as regiões ao redor do Círculo Polar Ártico — não deveria ter tantos incêndios. Mas as temperaturas por lá quebraram todos os tipos de recordes no verão passado, e análises científicas descobriram que o calor na área tornou-se 600 vezes mais provável devido às mudanças climáticas. Os incêndios que ocorreram no Ártico no ano passado liberaram uma quantidade recorde de dióxido de carbono que foi equivalente a todas as emissões anuais da Espanha, criando um perigoso ciclo de feedback.

As temperaturas amenas na região continuaram no inverno: a ilha de Svalbard, na região ártica da Noruega, teve sua temperatura mais alta em novembro do ano passado, registrando 9,4 ºC, que seria quente para novembro mesmo em Nova York. As temperaturas no alto Ártico ficaram na média de 6,6 ºC acima do normal neste inverno, de acordo com dados coletados pela Nasa. (No caso da agência espacial, ela define como normal o período de 1951 a 1980.)

Vários incêndios nos últimos anos iniciaram e se espalharam em áreas com turfa, um solo rico em carbono que pode liberar seus estoques para a atmosfera quando queimado. Os incêndios de turfa podem continuar a arder no subsolo por longos períodos, consumindo o carbono do solo até que possam alcançar a superfície novamente. Os especialistas especularam que esses incêndios podem reacender em chamas maiores nos meses mais quentes.

No final de fevereiro, o Siberian Times filmou um incêndio nos arredores de Khandyga, uma pequena cidade no rio Aldan, e postou no Twitter no domingo. Se você já se perguntou como seria cavar sob a neve em temperaturas de -30 ºC para encontrar turfa queimando, dê uma olhada nesse vídeo. O incêndio filmado pelo Siberian Times foi originalmente detectado por moradores locais em novembro, e o jornal sugere que pode haver alguma ligação entre esses incêndios de longa duração e os incêndios florestais que estão queimando agora. (Especialistas em fogo do Ártico sugeriram que isso também poderia ser o resultado de atividades humanas.)

Assine a newsletter do Gizmodo

No início deste ano, eles podem ter desenvolvido uma solução biodegradável eficaz para ajudar os bombeiros a extinguir incêndios zumbis, o que é ótimo. Mas, considerando que a Sibéria tem mais de 13 milhões de quilômetros quadrados e inclui áreas de difícil acesso para os bombeiros, essa solução agora é como tentar apagar um incêndio florestal com um borrifador. E à medida que a Sibéria sofre com novas pressões das mudanças climáticas, podemos apenas imaginar que novos horrores a temporada de incêndios florestais do verão trará.