A NASA informou em nota divulgada nesta quarta-feira (8) que detritos espaciais conhecidos como micrometeoróides atingiram o Telescópio Espacial James Webb. O impacto não foi suficiente para afetar o observatório e também não deve interferir no cronograma da missão. 

Micrometeoróides são, basicamente, grãos de pó cósmico que viajam pelo espaço. Qualquer nave ou objeto lançado ao cosmos sofre o risco de impacto e, por conta disso, os engenheiros realizam simulações ainda em Terra para testar a resistência dos materiais.

O James Webb foi atingido quatro vezes desde o seu lançamento, mas a última batida, ocorrida entre 23 de maio e 25 de maio, foi maior do que os cientistas esperavam. Algumas situações, como a aproximação de uma chuva de meteoros, podem ser previstas por pesquisadores, permitindo que os instrumentos ópticos do telescópio sejam manobrados e protegidos. 

Não foi o caso do último episódio. O micrometeoróide atingiu o segmento C3 do espelho primário hexagonal do James Webb, com o ocorrido sendo classificado pela NASA como “um evento de chance inevitável”.

Mesmo com o impacto, o telescópio de US$ 10 bilhões continuará tendo um desempenho acima da média. “Projetamos e construímos o Webb com margem de desempenho óptico, térmico, elétrico, mecânico – para garantir que ele possa cumprir sua ambiciosa missão científica mesmo depois de muitos anos no espaço”, disse Paul Geithner, vice-gerente de projeto no Goddard Space Flight Center da NASA, em comunicado.

No dia 12 de julho, serão lançadas as primeiras imagens coloridas do telescópio. Embora o alvo do clique ainda não tenha sido divulgado pela agência espacial, os cientistas prometem fotos de tirar o fôlego, as quais mostrarão toda a capacidade das ferramentas do James Webb.