De acordo com uma nova reportagem da Bloomberg News, a JBS Foods, maior processadora de carne bovina e suína do mundo, foi atingida por um ataque cibernético no último domingo (30) que incapacitou sistemas nos Estados Unidos, Canadá e Austrália.

A gigante global de alimentos não compartilhou qual foi o tipo de ataque, mas grandes operações globais como essa costumam ser atingidas com ransomware, que é uma espécie de malware envolvendo hackers roubando dados, excluindo-os localmente dos servidores de uma empresa e exigindo pagamento para o retorno dos dados. Outro estilo de ransomware é aquele em que os hackers roubam dados confidenciais e ameaçam divulgá-los publicamente, a menos que o resgate seja pago.

A JBS Foods declarou que, apesar dos ataques, seus servidores de backup não sofreram danos significativos e que trabalha para que eles voltem a funcionar normalmente.

Como observa a agência de notícias Beef Central, da Austrália, as fábricas de processamento de carne dependem de computadores para manter seus sistemas funcionando. E embora a JBS não tenha compartilhado detalhes sobre o ataque, a Beef Central diz que há muitas perguntas óbvias sobre o que vai acontecer com as carcaças de animais que começarão a se acumular.

Esta foi a declaração da JBS enviada à BC:

“No domingo, 30 de maio, a JBS USA determinou que era o alvo de um ataque organizado de segurança cibernética, afetando alguns dos servidores que suportam seus sistemas de TI norte-americanos e australianos. A empresa tomou medidas imediatas, suspendendo todos os sistemas afetados, notificando as autoridades e ativando a rede global da empresa de profissionais de TI e especialistas terceirizados para resolver a situação. Os servidores de backup da empresa não foram afetados e ela está trabalhando ativamente com uma empresa de Resposta a Incidentes para restaurar seus sistemas o mais rápido possível.

A companhia não tem conhecimento de nenhuma evidência neste momento de que dados de clientes, fornecedores ou funcionários tenham sido comprometidos ou utilizados indevidamente como resultado da situação. A resolução do incidente levará tempo, o que pode atrasar certas transações com clientes e fornecedores.”

É muito cedo para dizer que tipo de impacto o ataque cibernético pode ter sobre os consumidores, mas o grande volume de carne processada pela JBS na América do Norte e Austrália impressiona. A empresa também tem operações no Brasil, mas até agora não há informações se os negócios locais foram afetados.

Assine a newsletter do Gizmodo

Como destaca a Bloomberg, uma fábrica de carne bovina da JBS em Brooks, Alberta, é responsável por cerca de um quarto de toda a produção de carne bovina do Canadá. A planta está atualmente offline.

A JBS é a maior processadora de carne bovina, suína e ovina da Austrália, embora cerca de 70% desses produtos sejam enviados para o exterior. Todas as operações na Austrália também foram interrompidas e não está claro quando eles voltarão a ficar online.

Casa Branca suspeita de autoria russa

De acordo com a Casa Branca, criminosos russos provavelmente estão por trás do ciberataque. O FBI está investigando o episódio, e a empresa promete que a grande maioria de suas unidades nos EUA estará funcionando novamente nesta quarta (2).

“A Casa Branca está em contato diretamente com o governo russo neste assunto e entregando a mensagem de que estados responsáveis não abrigam criminosos de ransomware”, disse a porta-voz da Casa Branca Karine Jean-Pierre na terça-feira (1º).

Detalhes sobre o ataque ainda são escassos, mas a Reuters e outros meios de comunicação começaram a descrevê-lo como um ataque de ransomware, embora a JBS não tenha divulgado um comunicado oficial explicando se um resgate foi exigido.